Rádio Observador

Open da Austrália

Djokovic bate Federer e apura-se para a sexta final no Open da Austrália

O tenista sérvio Novak Djokovic manteve-se na rota do sexto título no Open da Austrália, ao bater nas meias-finais o suíço Roger Federer, enquanto a norte-americana Serena Williams e a alemã Angelique Kerber marcaram encontro na final feminina.

MADE NAGI/EPA

O tenista sérvio Novak Djokovic manteve-se na rota do sexto título no Open da Austrália, ao bater nas meias-finais o suíço Roger Federer, enquanto a norte-americana Serena Williams e a alemã Angelique Kerber marcaram encontro na final feminina.

Djokovic, primeiro cabeça de série e líder do ‘ranking’ mundial, impôs-se a Federer, terceiro favorito, em quatro ‘sets’, pelos parciais de 6-1, 6-2, 3-6 e 6-3, qualificando-se para o jogo decisivo do ‘Grand Slam’ inaugural de 2016 após 2:19 horas de encontro.

O sérvio, de 28 anos, apurou-se pela sexta vez para a final em Melbourne — um recorde na ‘era Open’, desde 1968 -, na qual vai defrontar o vencedor do encontro entre o britânico Andy Murray, que afastou João Sousa na terceira ronda, e o canadiano Milos Raonic, marcado para sexta-feira.

O 45.º encontro entre o campeão em título e o recordista de troféus do ‘Grand Slam’, com um total de 17, serviu também para desempatar o confronto direto entre dois dos maiores dominadores do ténis mundial nos últimos anos, após 22 triunfos para cada lado.

“Joguei de forma inacreditável nos dois ‘sets’ iniciais, mas isso é mesmo necessário frente a Roger [Federer], que esteve a um nível muito alto durante todo o torneio”, observou Djokovic, que não perde frente ao suíço em provas do ‘Grand Slam’ desde 2012, em Wimbledon.

O sérvio, vencedor de 10 títulos nos quatro principais torneios, concedeu apenas três jogos nos primeiros dois parciais, ‘disparando’ em apenas 54 minutos para uma vantagem que dificilmente Federer terá sonhado contrariar.

No setor feminino, Serena Williams, primeira cabeça de série e líder do ‘ranking’ mundial, a disputar o seu 16.º Open da Austrália, necessitou de pouco mais de uma hora para bater a polaca Agnieszka Radwanska em dois ‘tranquilos’ parciais, por 6-0 e 6-4.

A norte-americana, campeã em exercício na Austrália, não encontrou muita oposição por parte da quarta pré-designada e qualificou-se pela 26.ª vez para a final de um ‘major’, mantendo-se firme na corrida pelo sétimo título em Melbourne.

A história não jogava a favor de Radwanska e Williams fez questão de a reforçar: a número um mundial tinha batido a polaca em todos os oito encontros anteriores e nunca perdeu nas ‘meias’ do torneio australiano, na caminhada para a conquista dos seus seis títulos.

Caso se imponha na final de sábado, Williams iguala, aos 34 anos, o recorde de títulos na ‘era Open’ da alemã Steffi Graf, que venceu 22 provas do ‘Grand Slam’, ficando a apenas dois do máximo absoluto, que pertence à australiana Margaret Court.

A norte-americana é clara favorita frente a Kerber, sétima cabeça de série, que hoje se qualificou pela primeira vez para a final de um ‘major’, à 33.ª tentativa, ao derrotar a britânica Johanna Konta também em dois ‘sets’, por 7-5 e 6-2.

Kerber, de 28 anos, tornou-se a primeira alemã a atingir uma fase tão avançada da prova em Melbourne desde que a compatriota Anke Huber perdeu a final de 1996 para Monica Seles. Graf foi, precisamente, a última tenista germânica a sagrar-se campeã, dois anos antes, em 1994.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)