Tem sido um desafio a que várias empresas de tecnologia se têm proposto: criar sistemas computorizados que consigam vencer os humanos nos jogos de tabuleiro mais complexos do mundo. Já se conseguiu atingir o objetivo em relação ao xadrez. Depois, o Facebook anunciou que estava a tentar construir um software que conseguisse atuar de forma semelhante ao cérebro humano para ser campeão no milenar jogo chinês de tabuleiro Go. 

Na altura admitiu-se que o processo não era fácil, mas agora um computador conseguiu mesmo bater um campeão humano quando se defrontaram diante o tabuleiro do Go. A revista Nature, que publicou as explicações científicas que estão por detrás do feito, considera esta situação um “marco histórico na inteligência artificial”. Até porque, quando se fala do Go, fala-se provavelmente do jogo mais complexo que existe.

Na prática, neste jogo, originário da China e com mais de 2000 anos de antiguidade, os jogadores colocam pedras brancas e pretas sobre um tabuleiro com 19 linhas intercaladas com outras 19 linhas. Depois movimentam-nas pelos locais vazios do tabuleiro com o objetivo de rodear ou cercar as peças do adversário. Apesar das regras simples, a enorme quantidade de movimentos torna este jogo muito complexo para o cérebro humano.

Apesar de tudo isto, a máquina do programa AlphaGo, desenvolvida pela equipa liderada por Demis Hassabis da empresa tecnológica que é propriedade da Google, DeepMind, jogou contra Fan Hui, campeão no Go, e goleou: 5 jogos, 5 vitórias. Para além de ganhar o jogo, a Google também derrotou o Facebook nesta corrida.

Esta vitória está a ter tais repercussões, até maiores do que a derrota de Gerry Kasparov num jogo de xadrez contra um computador em 1997, por uma simples razão – que é dada pelo próprio Hassabis: “Existem mais posições no Go do que o número de átomos no Universo”, cita o Financial Times. “O Go tem mais profundidade intelectual e subtileza do que o xadrez”, acrescenta Demis Hassabis.

Como em qualquer equipa de futebol, as vitórias fazem a confiança subir em flecha. E é aí que treinador costuma dizer que é preciso evitar as euforias. A Google não foge à regra. Daí que o próximo desafio já tenha sido lançado: “Em março a AlphaGo vai enfrentar o seu grande desafio, o jogo à melhor de cinco em Seul contra o lendário Lee Sedol – o melhor jogador de Go do mundo na última década”, anunciou Hassabis citado pelo FT.

E a resposta de Lee não se fez esperar: “Ouvi que o DeepMind da Google é surpreendentemente forte e está a ficar mais forte, mas estou confiante que posso ganhar pelo menos desta vez”. Ora, e em jeito de aposta, se Lee vencer já se sabe que a Google lhe vai pagar um milhão de dólares (mais de 900 mil euros). Mas se o vencedor foi a empresa, esta vai doar o mesmo milhão de dólares para caridade. Estão lançados os dados.