Investidores nas obrigações que o Banco de Portugal retransferiu do Novo Banco para o BES – entre os quais os gigantes PIMCO e BlackRock – contrataram a portuguesa PLMJ e outra firma de advogados, a Clifford Chance, para desafiar juridicamente a decisão que foi tomada no final do ano passado e que torna provável que estes investidores incorram em perdas avultadas.

A informação foi avançada pela agência Bloomberg, que não especifica quem lhe passou a informação. O Observador contactou fonte oficial da PLMJ e está a aguardar uma resposta. A notícia será atualizada assim que esta chegar.

A decisão de avançar judicialmente surge na sequência de o Banco de Portugal ter selecionado algumas obrigações que tinham passado do BES para o Novo Banco e as ter feito, uma vez mais, regressar ao BES — onde terão uma escassa probabilidade de ser reembolsadas num montante que chegue perto do montante investido.

O Banco de Portugal justificou a decisão com o facto de sempre ter dito que poderia alterar o “perímetro dos ativos e passivos” do Novo Banco, mas os investidores vão questionar, ainda assim, a decisão não só de passar obrigações senior (emitidas com mais garantias) para o BES como, também, a decisão de escolher apenas cinco linhas de obrigações e não todas — o que pode violar o princípio de pari pasu.