A NATO está a analisar um pedido dos Estados Unidos para o envolvimento de aviões-radar da Aliança na coligação que combate o grupo extremista Estado Islâmico na Síria e no Iraque, anunciou o secretário-geral, Jens Stoltenberg.

“Posso confirmar que recebemos um pedido dos Estados Unidos para dar apoio aos esforços da coligação e ajudá-los com aviões de vigilância AWACS da NATO”, disse Stoltenberg, na apresentação do relatório anual da Aliança Atlântica.

“Estamos a avaliar esse pedido, é uma decisão que será tomada pelos 28 aliados”, acrescentou o secretário-geral.

Referindo que “os 28 aliados já fazem parte da coligação que combate o Estado Islâmico”, Stoltenberg precisou que “o que está a ser discutido é como a NATO, enquanto Aliança, pode proporcionar ajuda à coligação”.

“Temos essa capacidade” e a NATO já tem AWACS destacados na Turquia, acrescentou.

Stoltenberg escusou-se a dar uma data para uma decisão, mas referiu que os ministros da Defesa dos aliados vão discutir a questão na próxima reunião, prevista para 10 e 11 de fevereiro em Bruxelas.

A NATO tem uma frota de duas dezenas de aviões de vigilância AWACS, sigla inglesa para sistema aéreo de alerta e controlo, equipados com radares e sensores de longo alcance.