É oficial. Tal como o Observador tinha anunciado, o Ministério Público vai mesmo abrir uma investigação aos Serviços Secretos.  A procuradora Teresa Almeida extraiu certidão das declarações do arguido e ex-diretor operacional do Serviço de Informações Estratégicas de Defesa (SIED) João Luís para abertura de inquérito sobre alegadas práticas ilegais dos serviços de informações.

Teresa Almeida extraiu a certidão com base nas declarações proferidas em julgamento por João Luís sobre a atuação das secretas ao nível da realização de escutas ambientais e acesso a dados de faturação detalhada de chamadas telefónicas, assim como outros procedimentos que podem configurar a prática de crimes.

Além das declarações de João Luís, a procuradora Teresa Almeida pediu ainda a junção das declarações hoje prestadas por Paulo Mota Pinto e Pedro Gomes Barbosa, responsáveis pelo Conselho de Fiscalização do Serviço de Informações da República Portuguesa.

A juíza presidente do coletivo de juízes que julga o caso das secretas ordenou a junção aos autos do pedido de extração de certidão do Ministério Público.