Ensino Superior

Propinas sobem novamente no próximo ano letivo

1.468

As propinas máximas e mínimas das licenciaturas e mestrados de universidades e politécnicos sobem em setembro 5 e 32,5 euros respetivamente, avança o Diário Económico.

João Manuel Ribeiro/Global Imagens

A propina mínima das licenciaturas e mestrados integrados vai subir 32,5 euros, no próximo ano letivo, e a máxima vai subir até 5 euros. A notícia é avançada pela edição desta quinta-feira do Diário Económico e as contas foram feitas com base no valor médio da taxa de inflação e no novo valor do salário mínimo.

No ano letivo 2016/2017, tirar um curso no Ensino Superior passa a custar, no mínimo, 689 euros e, no máximo 1.068,56 euros – um atualização que reflete a subida do salário mínimo nacional para 530 euros. Em setembro de 2015, a propina mínima aumentou 26 euros, mas a máxima desceu.

A Lei de Financiamento do Ensino Superior prevê que o valor das propinas seja atualizada de acordo com a taxa média de inflação do ano anterior (máxima) e corresponda a 1,3 do salário mínimo nacional (mínima). Atualmente, são cinco as universidades que cobram a propina máxima aos estudantes e apenas um politécnico, o de Lisboa.

Os programas eleitorais do Partido Comunista Português e do Bloco de Esquerda para as eleições legislativas de 2015 — que o Observador comparou ainda antes das eleições de Outubro passado —  eram bastante críticos em relação às propinas como forma de financiamento do Ensino Superior. No programa do PCP propunha-se taxativamente a “supressão do pagamento de propinas” no Ensino Superior e no do Bloco referia-se também o fim das propinas no Ensino Superior.

Contudo, no acordo que assinaram com o PS, para formar governo, esta questão foi omissa.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: apimentel@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)