A comida de rua está a tentar conquistar o seu espaço no país conhecido pelo sol e pelas praias. A mais recente novidade no Porto chama-se Chiparia e quem passar na Rua da Picaria pode sair de lá com um pacote de batatas fritas belgas crocantes na mão. Mas também se pode sentar a beber uma sangria de frutos vermelhos e a petiscar mais qualquer coisa.

No espaço onde antes funcionou a fábrica de bicicletas Sucena & Faria ainda se podem ver algumas bicicletas, como homenagem. E quem quiser até as pode comprar. Só não é aconselhável ir a conduzir e a comer ao mesmo tempo. Apesar de o conceito convidar ao lema “pegar e levar”, o espaço da Chiparia é amplo, com 30 lugares sentados, divididos por dois pisos. Há ainda um piso inferior atualmente em obras, que poderá levar a novas opções no menu, como a entrada de cervejas artesanais e belgas.

Mas foquemo-nos nas batatas fritas. “Fui à Bélgica numa road trip e achei piada. A minha sócia Cristina Gonzalez também já conhecia bem o conceito e então achámos que podia ser uma coisa engraçada para a Baixa do Porto”, conta ao Observador o proprietário Luís Almeida. As batatas são cortadas ali e fritas duas vezes “para ficarem crocantes”, explica. Para se conseguir o sabor característico, a fritura é em óleo animal, de vaca, importado da Bélgica. Existe uma opção de óleo vegetal para os vegetarianos.

batata chiparia

Há três cartuxos de diferentes tamanhos: o pequeno, que custa 2€, o médio, a 2,50€, e o grande, a 3,50€. Por mais trinta cêntimos o cliente pode acrescentar um de 10 molhos disponíveis, entre os quais dois picantes (hot shot e samurai) e um à base de caril e mostarda de dijon (o jammie, atualmente o mais popular). “Compramos os molhos a uma empresa”, diz Luís Almeida, sem revelar qual. Afinal, o segredo ainda é a alma do negócio.

Desde que as portas se abriram, a 17 de dezembro, o menu já foi alargado. À salsicha alemã, gambas tempura, calamares e croquetes de alheira foram adicionados esta quinta-feira os croquetes de presunto de pata negra, de queijo azul, de bacalhau, os do bosque (com cogumelos) e os atrevidos (queijo e jalapeños). Todos à venda por 2€ e com a opção de levar para comer em andamento. Para além das bebidas habituais, como refrigerantes e cerveja, há sempre limonada e sangria de frutos vermelhos disponível.

A 400 metros de distância, na Rua da Assunção, abriu em novembro o Hand Go, outro negócio focado na comida para comer em andamento ou, quem sabe, sentado num banco de jardim. Em 2015, os festivais de comida de rua tiveram um boom e já se começam a avistar carrinhas de comida na Invicta. Se é moda passageira ou um hábito a enraizar-se, ainda não se sabe. Certo é que de madrugada, por exemplo, não há muita oferta para as milhares de pessoas que frequentam os bares do Porto. Luís Almeida pensou nisso e quer alargar o horário para além das duas da manhã mas, por enquanto, ainda não é possível. Quem sabe, talvez num futuro próximo a Chiparia faça jus ao clássico de Lionel Richie: “All night long…”

Nome: Chiparia
Morada: Rua da Picaria, 16 (Baixa do Porto)
Telefone: 22 319 8221
Site: www.facebook.com/chiparia
Horário: Se segunda a quinta das 12h00 às 00h00, sexta e sábado das 12h00 às 02h00 e domingo das 12h00 às 22h00.