“Tomámos todas as medidas necessárias para poder responder a qualquer tipo de situação”, afirmou hoje o ministro porta-voz do Executivo, Yoshihide Suga, citado pela agência Kyodo.

Suga não deu mais informações sobre a iniciativa do Ministério da Defesa, de modo a não revelar “informação sensível” sobre a capacidade do Japão para intercetar mísseis.

As últimas imagens de satélite da base norte-coreana de Sohae mostraram que há movimentação nas instalações e que Pyongyang pode estar a preparar o lançamento, em breve, de um projétil de longo alcance, tal como Seul, Tóquio e Washington tinham alertado.

Por seu lado, o ministro dos Negócios Estrangeiros japonês, Fumio Kishida, disse hoje que acordou, numa teleconferência com o seu homólogo norte-americano, John Kerry, cooperar de perto sobre a questão do lançamento norte-coreano.

“Trabalharemos estreitamente com os Estados Unidos e outros países envolvidos e tomaremos todas as medidas possíveis para garantir a segurança do público”, disse Kishida, em conferência de imprensa.

O novo lançamento pode acontecer numa altura em que os países do Conselho de Segurança das Nações Unidas contemplam impor sanções adicionais a Pyongyang devido ao seu quarto teste nuclear, realizado no início do mês.