Caso Banif

Os trunfos dos partidos na comissão de inquérito ao Banif

António Filipe, PCP, é o presidente. PSD e CDS apostam tudo com ex-governantes, PS põe quatro vices na frente de combate. BE e PCP repetem os trunfos usados no BES.

HUGO AMARAL/OBSERVADOR

Já é conhecida a lista completa de deputados que vão integrar a comissão de inquérito ao Banif, que toma posse na próxima quarta-feira, presidida pelo comunista António Filipe. PSD e CDS lançam ex-governantes, como Marques Guedes e João Almeida, PS põe quatro vices da bancada na frente de ataque, incluindo João Galamba e Neto Brandão, e BE e PCP repetem trunfos do BES.

Não é Maria Luís Albuquerque mas é Luís Marques Guedes. O PSD indicou o nome do ex-ministro da Presidência para a vice-presidência da comissão de inquérito ao caso Banif, lançando também para a linha da frente o deputado Miguel Morgado, estreante nesta legislatura e muito próximo de Passos Coelho. Carlos Abreu Amorim, que era o coordenador dos sociais-democratas na comissão do BES volta a ocupar a mesma posição.

Fazem ainda parte da lista de efetivos as deputadas Inês Domingos e Margarida Mano (que chegou a ser ministra da Educação no mais curto Governo do PSD/CDS), assim como Pedro do Ó Ramos e a deputada madeirense Rubina Bastos.

Para a lista de suplentes, os sociais-democratas indicaram os deputados da comissão de Orçamento e Finanças, António Leitão Amaro e Carlos Santos Silva, acrescentando ainda o homem forte do partido Marco António Costa.

Os socialistas optaram por colocar vários dos seus vices na linha de combate: João Galamba, Filipe Neto Brandão, Carlos Pereira e Lara Martinho. Galamba e Neto Brandão foram, a par do agora secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos, as apostas do PS na comissão de inquérito ao BES e voltam agora à linha da frente no caso Banif. O deputado Eurico Brilhante Dias, mais próximo da antiga ala segurista, e Hortense Martins, ambos membros da comissão de Orçamento e Finanças, assim como o deputado Luís Testa fecham a lista de deputados socialistas efetivos.

Entre os suplentes, o PS indicou Jorge Lacão, Eurídice Pereira e Hugo Costa.

As bancadas do CDS, BE e PCP têm apenas direito a indicar um deputado efetivo e dois suplentes. A aposta dos centristas vai ser o ex-secretário de Estado da Administração Interna, João Almeida, sendo que Cecília Meireles, que coordenou os trabalhos no caso BES, fica desta vez como suplente, a par de António Carlos Monteiro.

Depois de ter brilhado na comissão de inquérito ao BES, Mariana Mortágua vai ser mais uma vez o trunfo dos bloquistas no inquérito ao caso Banif. Como suplentes, o BE indicou Jorge Costa e Paulino Ascensão. Do lado do PCP, a aposta volta a ser Miguel Tiago, tendo Paulo Sá como suplente.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)