Rádio Observador

Open da Austrália

Andy Murray. Imitar o irmão ou perder com o papão?

Murray já perdeu quatro finais do Open da Austrália, três delas com Djokovic. O sérvio é o recordista, com cinco medalhas. O irmão do britânico venceu em pares com Bruno Soares.

Clive Brunskill/Getty Images

Autor
  • Hugo Tavares da Silva

Mais uma moedinha, mais uma voltinha. Andy Murray e Novak Djokovic vão encontrar-se pela quarta vez na final do Open da Austrália. O score é 3-0 para o sérvio. Mas antes mesmo de conhecer o seu fado, Murray já fez história… com a ajuda do seu irmão. Os manos Murray são os primeiros a atingir as finais de singles e doubles do mesmo torneio (na era dos opens). Jamie venceu. Como vai ser, Andy?

“Foi engraçado ver o Andy no final”, disse Jamie depois de vencer a competição com Bruno Soares. “Esteve, obviamente, a ver o jogo no balneário. Eu não sabia disso. Pensava que ele tinha voltado para o hotel. Talvez ele tenha voltado quando pensou que teríamos chances. (…) Estivemos no balneário um bocado antes [da final]. Ele esteve a treinar. Expulsámo-lo do court. (…) Fiquei chocado quando o vim lá [depois da final].” Jamie Murray e Bruno Soares venceram Daniel Nestor e Radek Stepanek ( 2-6, 6-4, 7-5).

Murray é o número dois do mundo e volta a encontrar o número um na final do Open da Austrália. O britânico teve de suar e pedalar muito para tirar do caminho Milos Rahonic (6-1, 6-2, 3-6, 6-3): as meias-finais viram os ponteiros do relógio ultrapassar as quatro horas. Quatro, senhoras e senhores. “É um touro”, escreve o El País.

Uma coisa de cada vez. Murray perdeu quatro finais deste torneio desde 2010: Roger Federer (2010: 3-6, 4-6, 6-7), Djokovic (2011: 4-6, 2-6, 3-6), Djokovic (2013: 7-6, 6-7, 3-6, 2-6) e Djokovic (2015: 6-7, 7-6, 3-6, 0-6). O britânico tentará à quinta matar o borrego e imitar Jamie, para engrandecer o recorde do clã Murry. “Não há razão possível para que eu não acredite na vitória”, avisou.

O pequeno problema é que tem pela frente um tal de Djokovic. O número um, o monstro do ténis dos últimos anos, que junta técnica sublime com uma condição física impossível. Com a vitória nesta prova em 2015, o sérvio somou o quinto Open da Austrália e ultrapassou senhores como André Agassi (1995, 2000, 2001, 2003) e Roger Federer (2004, 2006, 2007, 2010), que venceram quatro. Aos três duelos vitoriosos com Murray juntam-se outros com Jo-Wilfried Tsonga (2008) e Rafael Nadal (2012). A matemática é simples: Djoko nunca perdeu uma final na Austrália. E chegou a esta depois de bater Federer (6-1, 6-2, 3-6, 6-3).

Qual é a estratégia, Andy? “Na final que jogámos aqui, no ano passado, não houve muita diferença. Durante três sets estive à altura. Em Miami e Roland Garros passou-se o mesmo. E noutra partida muito fechada ganhei-lhe, no Canadá”, explicou Murray. “Devo manter esse nível, mas não um ou dois sets seguidos, mas sim o tempo todo. Esse é o meu objetivo: ser o mais consistente possível.”

Não há bola de cristal, mas adivinha-se uma final bem jogada, longa, épica e com muitas bolas a beijar as linhas. Eles vão sorrir, limpar o suor da cara, irritar-se de vez em quando e deixar fugir a respiração. Ofegantes, vão deixar muito boa gente de queixo caído. O duelo arranca às 8h30 da manhã (em direto na Eurosport 1), mas é coisa para terminar à hora do almoço. E agora, Andy? Imitar o irmão ou perder com o papão?

(notícia corrigida às 20h45 com informação correta sobre o canal em que será transmitido jogo)

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)