No alerta, feito durante a visita oficial do seu homólogo da Bolívia, Evo Morales, Dilma reafirmou que o Brasil pretende trabalhar em conjunto com outras nações da região para combater o mosquito e também para desenvolver uma vacina. “É uma tarefa necessariamente coletiva de todos os países aqui da América do Sul e da América Latina”, disse a presidente.

Dilma gravou uma declaração, que será transmitida esta semana nas rádios e redes da televisão do Brasil, alertando a população para a necessidade de uma mobilização geral no combate ao Aedes aegypti.

Hoje, na abertura dos trabalhos legislativos do ano, Dilma Rousseff vai ao Congresso Nacional (parlamento) e, na mensagem que proferirá aos deputados, destacará a preocupação do Governo com os problemas causados pelo vírus zika.

Segundo uma nota divulgada no portal da Casa Civil na Internet, Dilma já fez um “chamamento interno” a ministros e dirigentes de autarquias e bancos em prol de uma mobilização no combate ao mosquito. “Foi um toque de alerta da Presidente”, afirmou em nota o ministro-chefe da Casa Civil, Jaques Wagner.

O Governo exigiu que cada Ministério e autarquia designem, cada um, cinco funcionários para serem treinados na procura de locais onde existe água parada, que não podem ser destruídos.

Wagner também disse que mesmo com o aumento da circulação do zika no Brasil, as Olimpíadas do Rio de Janeiro não serão canceladas.