Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Um turista britânico foi morto esta segunda-feira por um elefante na ilha tailandesa de Koh Samui. O homem de 36 anos, originário da Escócia, estava a fazer um passeio de elefante com a filha, de 16 anos, quando o animal se tornou violento, refere o Telegraph. O elefante, conhecido por Golf, começou por atacar o guia, Pamang, que se encontrava no chão a tirar fotografias ao dois turistas. Depois de ferir gravemente Pamang, o animal atirou os dois britânicos ao chão e atacou o homem com uma presa, matando-o instantaneamente.

Golf fugiu depois em direção à floresta, deixando a adolescente com ferimentos ligeiros. Testemunhas no local afirmaram que, antes do passeio, Golf parecia chateado, tendo recusado seguir as instruções de Pamang. O guia viu-se obrigado a bater no elefante com um pau.

Os passeios de elefante são muito populares em Koh Samui, e existem vários operadores que oferecem este tipo de serviço. Nos últimos anos, o negócio tem sido alvo de duras críticas por parte de várias associações de proteção animal, pela forma como os elefantes são tratados, capturados e traficados. Num email enviado à Time, o grupo de direito animal PETA descreveu o recente ataque ao turista britânico como “um dos muitos eventos trágicos que nos lembram das razões pelas quais os elefantes não devem ser montados“.

“Apesar de trágico, não é uma surpresa quando os elefantes mordem e atacam. Quando os turistas escolhem participar nos passeios de elefante, não só apoiam a crueldade desta indústria, como põe em risco a sua própria segurança”, escreveu Ashley Frumo, da PETA.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR