Um ataque aéreo levado a cabo pelas forças norte-americanas destruiu na segunda-feira a estação de rádio do Estado Islâmico, que operava numa parte remota do Afeganistão, noticiou o jornal ABC. O bombardeamento causou ainda a morte de 29 membros do grupo jihadista, sete dos quais trabalhavam na emissora.

De acordo com Attaullah Khogyanaim, porta-voz do governador da província de Nangarhar, a rádio Voz do Califado foi destruída por quatro drones que, na noite de segunda-feira, bombardearam o distrito de Achin, na zona oeste do Afeganistão.

A estação de rádio foi criada no final de 2015, na sequência de vários meses de combates intensos entre os militantes do Estado Islâmico e os talibãs afegãos, que ainda mantêm uma presença significativa na região. Apesar de o Estado Islâmico estar presente em pelo menos quatro províncias do Afeganistão, é em Nangardhar que os jihadistas têm o seu maior bastião.

As emissões da Voz do Califado tinham como principal objetivo aliciar os mais jovens a juntarem-se ao grupo terrorista. Zabihullah Zmarai, membro do conselho da província de Nangarhar, explicou que a rádio, usada para exercer uma “pressão psicológica sobre o povo”, começou por emitir em pashto, uma das duas línguas oficiais do Afeganistão. Mais recentemente, os programas começaram a ser feitos em dari, a outra língua oficial, e em inglês.