O Presidente francês François Hollande recusou esta quarta-feira “novas negociações” sobre as reivindicações dos britânicos durante o próximo Conselho Europeu, marcado para os dias 18 e 19 de fevereiro.

“Somos favoráveis à permanência do Reino Unido na União Europeia. O compromisso encontrado permite sem dúvida encontrar soluções para problemas que, até agora, pareciam difíceis de resolver mas, no Conselho Europeu, não poderão haver novos ajustamentos” nem “novas negociações”, afirmou Hollande em declarações à imprensas media após um encontro com a primeira-ministra polaca, Beata Szydlo.

“Chegámos a um ponto que deve permitir fornecer aos britânicos as garantias necessárias no respeito pelos princípios europeus”, prosseguiu, e quando a União Europeia (UE) divulgou na terça-feira as suas propostas para evitar um “Brexit”.

O Presidente francês advertiu em particular que “não pode haver veto dos países fora da zona euro” sobre as decisões tomadas pelos seus países membros, e da qual o Reino Unido não faz parte.

“Estamos comprometidos com a livre-circulação, estamos também comprometidos para que os países que não integram a zona euro (…) sejam respeitados” e “informados” sobre todas as decisões da zona euro, mas não pode haver veto dos países fora da zona euro sobre o que vamos decidir na zona euro”, preveniu.

As propostas da União para evitar um “Brexit” preveem designadamente “medidas de emergência” que permitem a Londres interromper as ajudas sociais aos trabalhadores intraeuropeus, e garantia que a City (Bolsa de Londres) não será afetada por um reforço do euro.

Prevê-se ainda um “mecanismo” através do qual os nove países que não adotaram o euro possam emitir as suas preocupações e receber as “garantias necessárias” sobre as decisões dos restantes 19 Estados-membros que utilizam a moeda única.

O primeiro-ministro conservador britânico, David Cameron, esforçou-se por “convencer” os deputados britânicos sobre as vantagens desde pré-acordo, que foi recebido com muitas reservas pelos eurocéticos do seu próprio campo, e pela imprensa.

O pré-acordo entre a UE e o Reino Unido deverá ser discutido pelos restantes 27 Estados-membros da União no decurso da cimeira de 18 e 19 de fevereiro em Bruxelas.