Educação

As 50 escolas mais inovadoras do mundo

1.488

Um professor e investigador espanhol fez uma viagem à volta do mundo, para conhecer as escolas mais inovadoras. Há-as na Dinamarca e nos Estados Unidos, mas também no Bangladesh, por exemplo.

E se entre as escolas mais inovadores do mundo estivessem estabelecimentos localizados no Gana, na Índia, na Indonésia e no Bangladesh, por exemplo? Quem o diz é Alfredo Hernando, um professor, psicólogo e investigador espanhol, que acaba de lançar um livro chamado “Viagem à escola do século XXI. Assim trabalham os colégios mais inovadores do mundo”.

O investigador espanhol atravessou o mundo durante 9 meses para conhecer alguns dos projetos educativos mais inovadores e criativos. Há escolas de países como os Estados Unidos, o Japão e o Reino Unido, por exemplo, mas também várias escolas sul-americanas (da Colômbia, Peru, Chile, Brasil, Argentina e Uruguai), africanas, asiáticas e até da Oceânia (australianas e neozelandesas, no caso). Ao todo, as 50 escolas estão situadas em 20 países diferentes. Nenhum deles é Portugal.

Entre os vários centros de ensino (públicos e privados) há semelhantes e diferenças. O investigador explica ao El Mundo aquilo que os une: “Em termos metodológicos, [as escolas] partilham ferramentas como a aprendizagem através de projetos, as aulas dadas de forma cooperativa, [o facto de haver] ferramentas de avaliação variadas, os compromissos de aprendizagem celebrados entre aluno e professor, os (…) edifícios digitais, a autonomia que [os professores] concedem aos seus alunos“, entre outros aspetos.

O CEO da Innova Schools, uma rede de colégios privados peruanos destacada por Alfredo Hernando, afirma que o modelo de memorização da informação já não funciona nos dias de hoje: “Numa aula tradicional, o método está centrado na transmissão de conhecimentos. O professor escreve no quadro informação que o aluno copia para o caderno e reproduz nos exames (…): aprendizagem memorizada de feitos, datas, informações; ou aplicação, não fundamentada, de algoritmos, fórmulas e procedimentos.”

“Por outras palavras, [ensinam-nos na escola] toda a informação que hoje obtemos, numa questão de segundos, no motor de busca mais usado da internet. Esse método já não funciona (…). Na aprendizagem em grupo envolvemos os estudantes, desafiando-os com questões que põem em causa os seus saberes prévios. As aulas devem ser feitas pelo aluno, não pelo professor“, defende.

A chave para a escola do futuro, defende o investigador espanhol, é “ensinar os alunos a pensar por si mesmo”, em vez de serem recetores passivos de conhecimento, que têm de memorizar aquilo que lhes é ensinado.

Veja algumas dessas escolas na fotogaleria.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Educação

Mais vale acabar

João Pires da Cruz
1.463

Damos atenção aos direitos de todos menos aos daqueles que são mais preciosos, os nossos filhos. Gastamos dinheiro em tudo, menos no que é impossível substituir, o tempo das nossas crianças aprenderem

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)