Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Francisca Van Dunem é a ministra deste Governo com mais poupanças. Adalberto Campos Fernandes, o que mais dinheiro ganhava antes de ir para Governo. Ana Paula Vitorino, a mais endividada. Há dois ministros que declararam possuir Vespas e um que incluiu na lista de bens uma piscina. É isto que revelam as declarações de rendimentos que os membros do Governo estão obrigados a entregar no Tribunal Constitucional e que o Observador consultou esta quinta-feira (tem mais informação sobre o tema no artigo “Os bancos preferidos dos ministros de António Costa”).

A ministra da Justiça tem cerca de 220 mil euros em poupanças, mas a antiga procuradora-geral distrital de Lisboa não foi a pessoa que mais dinheiro ganhou em 2014, com o ministro da Saúde a arrecadar mais 180 mil euros em remunerações (167.202,29 euros em trabalho dependente e 13.617,20 como trabalhador independente).

No que diz respeito a rendimentos, nenhum ministro de Costa declara ter recebido menos de 41 mil euros – não estava disponível a declaração do ministro da Agricultura, Capoulas Santos. Quem recebeu menos foi o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, que ganhou 41.494, 17 euros em 2014 como professor universitário.  A seguir está o ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, que declara ter juntado 47.628,12 euros provenientes apenas do seu trabalho dependente — antes de ser ministro, foi presidente do Conselho de Administração da empresa Águas do Porto. No entanto, é também o ministro com maior património no seu nome, embora declare que mais de 400 mil euros em duas contas de que é titular pertencem aos pais, não entrando assim para a contabilidade das suas poupanças pessoais.

Augusto Santos Silva, ministro dos Negócios Estrangeiros, Constança Urbano de Sousa, ministra da Administração Interna e Francisca Van Dunem declaram todos ter recebido mais de 90 mil euros do seu trabalho em 2014.

14 fotos

Van Dunem é mesmo a ministra que declara ter mais dinheiro em depósitos a prazo, fundos de investimentos e planos poupança reforma. A ministra tem contas a prazo no Deutsche Bank no valor de 221.374 euros e ainda 22 mil certificados de aforro, com valor individual de “500 escudos”, embora não especifique quando foram comprados, o que torna difícil calcular o valor real destes títulos hoje em dia (pode rondar os 54 mil euros).

Logo a seguir está Mário Centeno. O ministro das Finanças, que é quadro do Banco de Portugal, declara ter no total 213.286,92 euros em poupanças, contando com a sua conta à ordem, que tem 29.319,22 euros e vários fundos de investimentos onde tem entre 3.085,88 euros e 33.443,72 euros. O responsável máximo pelas Finanças portuguesas tem ainda dois PPR – para ele e para a mulher – com um valor superior a 17.866,10 euros cada um.

Outra ministra com um património considerável é Maria Manuel Leitão Marques, que em investimentos e poupanças em bancos tem 199.354,81. João Soares, da Cultura, e Manuel Heitor, da Ciência, são os únicos ministros que não apresentam quaisquer investimentos bancários e não declaram contas à ordem com um valor superior a 50 salários mínimos — o valor mínimo para que os titulares de cargos políticos tenham de declarar as suas contas.

Mas os ministros não declaram só o dinheiro que têm, declaram também o dinheiro que devem. Neste Executivo, a pessoa com mais créditos é Ana Paula Vitorino, ministra do Mar, com um total de 362.635,99 euros. Um destes créditos, de 112.978,43 euros, foi pedido para pagar um apartamento em Lisboa, outro para pagar obras — no valor de 50.494,52 euros –, outro para comprar uma quinta em Santarém e ainda outro foi pedido para comprar um apartamento no Porto, do qual a ministra é co-proprietária.

Casas, colégios, clubes e… Vespas

Ana Paula Vitorino é mesmo a ministra com mais casas, declarando duas em Lisboa, metade de um apartamento no Porto e uma quinta. Também Mário Centeno tem várias propriedades: uma casa em Vila Real de Santo António e duas em Lisboa. É preciso andar para trás no tempo para fazer a relação das casas de António Costa. O primeiro-ministro declara em 2005 que vendeu dois prédios em Lisboa e declara uma casa no Algarve e uma em Goa, na Índia. Em 2014, como secretário-geral do PS, dá a conhecer ao Tribunal Constitucional a compra de um apartamento em Lisboa. Entre todos os ministros, apenas Vieira da Silva não declara qualquer património imobiliário — mesmo Tiago Brandão Rodrigues, ministro da Educação, que vive há vários anos fora de Portugal, afirma ter uma casa em Caminha.

Há dois ministros com participações em colégios. João Soares, ministro da Cultura, diz deter 6% do Colégio Moderno e Manuel Heitor, ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, afirma ser dono do Colégio Valsassina — onde é secretário da Assembleia Geral.

As declarações revelam ainda algumas preferências pessoais. Mário Centeno tem uma clara inclinação para o Benfica, já que não só detém ações da SAD deste clube como tem o cartão de crédito Benfica da Caixa Geral de Depósitos, apesar de nunca ter usado qualquer crédito associado a este cartão. Outro ministro, Vieira da Silva, prefere outro clube da Segunda Circular. O responsável pela pasta da Segurança Social tem ações da SAD do Sporting Clube de Portugal.

Já quando se trata de veículos, a deslocação na cidade parece ser prioridade para alguns membros do Executivo. António Costa, João Soares e Constança Urbano de Sousa têm um Smart — não sendo, no entanto, o único carro que possuem. Outros dois ministros também parecem preferir uma condução citadina e compacta, optando por uma Vespa. Tanto Tiago Brandão Rodrigues como Manuel Heitor declaram possuir um motociclo da marca italiana. Outros ministros, como Mário Centeno, optam por um modelo mais familiar — o ministro das Finanças tem uma carrinha Ford Galaxy e um Audi A4 — ou escolhem um espírito mais aventureiro, como Ana Paula Vitorino — entre outros carros, a ministra tem um jipe Opel Frontera.