Há decisões no futebol, sobretudo entre dirigentes — talvez pressionados pelos adeptos e pelos resultados, talvez não –, que não lembram nem ao diabo.

Quando, fim de semana após fim de semana, sintonizamos a televisão na La Liga de Espanha e vemos o futebol desgarrado do Valência de Gary Neville — o de Nuno Espírito Santo, pelo menos esta época, não foi propriamente melhor –, um futebol que precisa de golos (apesar dos Rodrigos, Alcáceres ou Negredos da vida airada) como de pão para a boca, custa-nos a acreditar que Jonas saiu do Mestalla pela porta pequena, dir-se-ia mesmo minúscula, que chegou ao Benfica a custo zero (sim, há sempre o custo do prémio de assinatura; mas Jonas já o “pagou” faz tempo).

Ele, Jonas, que mal aterrou na Portela desatou a marcar golos em barda. Só esta temporada, na Liga, conta 23 em 21 jogos. E igualou com isso Higuaín, do Napóles, no topo dos candidatos à Bola de Ouro. 

Jonas, esta noite no Restelo contra o Belenenses, foi decisivo como sempre. Mitroglou fez mais um golo do que o pistolas, que “só” bisou, mas entre golos de encostar e fífias belenenses, os do grego não foram, todos somados, e nem de perto nem de longe, tão vistosos quanto o primeiro de Jonas. Gaitán endossou-lhe a bola, à entrada da área, mas não foi sequer uma assistência para golo a do argentino. O golo só surgiu porque Jonas, por sua conta e risco, fez uma recepção orientada que trocou as voltas às marcações, ficou só com Gonçalo Silva pela frente, entortou-o com um movimento de corpo e rematou para longe das luvas de Ventura. A noite do Restelo, só pelo golo de Jonas — na altura o 2-0 –, já valeu o bilhete. 

(Créditos: Gustavo Bom/Global Imagens)

(Créditos: Gustavo Bom/Global Imagens)

Mas se Jonas foi o quem vem sendo nesta época e na anterior — incansável a mordiscar os calcanhares aos defesas, a recuar no relvado para construir jogo, a rematar de todo o lado, de toda a maneira e feitio –, também o Benfica o foi. Ou quase. Não precisou de acelerar tanto assim. Renato Sanches ia circulando a bola, galgando metros. Gaitán, a recuperar a melhor forma depois da lesão, ia dando umas polvilhadelas de classe no relvado, sempre com a redondinha colada na canhota. Samaris recuperava bolas atrás de bolas. E a defesa? A defesa tremia demais (hoje foi Lindelof a fazer parelha com Jardel), mas nem aí o Belenenses aproveitava para fazer o golo da ordem. 

Antes do jogo começar, o recém-chegado treinador do Belenenses, Julio Velázquez, puxou do seu melhor castelhanho para dizer que, com ele, nem contra o Benfica nem contra o Manchester United, o seu béléniensés jogaria recuado. Autocarro? No, no, no. Antes o tivesse feito na 1.ª parte. É que a defesa não acertava um corte, um passe, uma receção, um atraso para o guarda-redes, uma saída a jogar, um desmarcação longa desde trás. Nada. E um defesa a mais, ou dois, ou três, teriam dado jeito, Julio.

Cada bola que ali caísse (na defesa do Belenenses, entenda-se), era um aí Jesus — e Ele a vê-los, lá do alto do Pragal, na outra margem do Tejo. Valha-lhes que o Benfica só fez um golo até ao descanço. Um golo que resulta de um disparate de todo o tamanho de Ventura, que quis segurar a bola vinda de um cabeceamento de Mitroglou quando esta pedia um desvio para lá do sol posto.

No recomeço, Velázquez deu o dito por não dito e fez entrar Gonçalo Silva. A lado de Gonçalo, outro Gonçalo, o Brandão, e Abel Aguilar. Três centrais, portanto. Um autocarro, portanto. Mas até para se usar um autocarro é preciso saber da poda. Uma grupeta de camisolas e corpos, um magote azul, não é por si só uma táctica defensiva e densa. É preciso, antes de mais, não tremer. E o Belenenses, mesmo com três atrás, ainda tremeu mais do que antes, quando só lá tinha dois. E o Benfica só parou aos cinco.

Apitou três vezes o árbitro Nuno Almeida. Acabou. O Benfica goleou — chegou aos 80 golos em 33 jogos em 2015/2016; uma média de 2,42 golos/jogo –, Renato Sanches fez um jogo tremendo, Jonas idem, Mitroglou justificou o epíteto de “Mitrogolo”, mas o que mais saltou à vista no Restelo foi um Belenenses, primeiro com, depois sem autocarro, a meter água. Uma carga de água. E a noite até estava amena, nem um pingo caiu. Ah, e o Benfica é líder. Pelo menos até segunda-feira, se o Sporting não escorregar em Alvalade com o Rio Ave.