O papa Francisco e o patriarca ortodoxo russo Kirill vão encontrar-se a 12 de fevereiro no aeroporto de Havana, em Cuba, no primeiro encontro de sempre dos líderes das duas Igrejas.

Será “o primeiro encontro da história” entre os dois principais dirigentes dos cristãos do ocidente e do oriente separados desde o cisma de 1054, congratulou-se o Vaticano.

“A Santa Sé e o Patriarcado de Moscovo têm a alegria de anunciar que, com a graça de Deus, Sua Santidade o Papa Francisco e Sua Santidade o Patriarca Kirill de Moscovo e de toda a Rússia se encontrarão a 12 de fevereiro”, segundo um comunicado conjunto.

O encontro ocorrerá à margem de uma visita à América Latina do patriarca, cuja igreja conta com 130 milhões de fiéis, e da viagem ao México do papa, que guia 1,2 mil milhões de católicos.

O encontro iniciar-se-á com uma reunião de duas horas e “concluir-se-á com a assinatura de uma declaração comum”, precisa o comunicado.

“Preparado há muito tempo”, o encontro “constitui um marco importante nas relações entre as duas Igrejas”, adianta.

O papa Francisco estabeleceu o ecumenismo — aproximação entre as confissões cristãs — como uma prioridade, insistindo em particular no facto dos cristãos lutarem em conjunto no Médio Oriente contra o radicalismo islâmico.

Há 10 dias, deu também um passo inesperado na direção dos protestantes, anunciando a sua participação numa cerimónia a 31 de outubro na Suécia para assinalar o 500.º aniversário da Reforma de Martinho Lutero.