O ministro do Planeamento e Infraestruturas anunciou neste domingo que o projeto da retificação da estrada que liga Bragança a Vinhais, reclamado há vários anos, vai avançar, para encurtar para metade o tempo de viagem. O governante apontou a conclusão do projeto para “final de março”, deixando para uma fase posterior o financiamento, que o autarca local, Américo Pereira, calcula em 10 milhões de euros.

As curvas dos pouco mais de 30 quilómetros que separam as duas localidades não desmotivaram, mas tornaram mais vagarosa a peregrinação de automóveis à Feira do Fumeiro, que hoje terminou, em Vinhais, e onde o ministro fez o anúncio.

Numa zona onde, nesta época do ano, o gelo e a neve agravam os constrangimentos de mobilidade, o projeto pretende “cortar” as curvas mais perigosas, nomeadamente na zona de Soeiro, e encurtar em 10 quilómetros a ligação, o que significaria que seria possível fazer a viagem de Bragança a Vinhais em cerca de 20 minutos.

“A obra tem de se fazer, é de justiça que se possa acelerar essa ligação”, afirmou o ministro Pedro Marques, indicando que, embora Bruxelas tenha deixado de financiar estradas, este projeto deverá contar com apoios do fundo de coesão. O presidente da Câmara, o socialista Américo Pereira, só não ficou satisfeito com a falta de prazos estipulados para a execução.

O autarca lembrou que esta obra foi assumida pelo Governo em 2008, mas continua por concretizar, e realçou as dificuldades da população local, sobretudo das aldeias, no acesso à capital de distrito. “Daqui a Bragança, numa situação de emergência, é uma eternidade. Há aldeias [em que as pessoas] têm de andar cerca de hora e meia”, frisou.

O autarca de Vinhais recebeu ainda a notícia do ministro de que um centro escolar, de três milhões de euros, que ambiciona para juntar todos os níveis de ensino, está contemplado nas 900 obras anunciadas recentemente para todo o país com um investimento de 450 milhões de euros para escolas, centros de saúde e reabilitação do património.

O dia de hoje, o último da feira que anualmente chama dezenas de milhares de forasteiros a Vinhais, serviu ainda para inaugurar o Centro Interpretativo do Porco e do Fumeiro, uma homenagem à temática que é o principal suporte económico deste concelho transmontano.