A Bolsa de Atenas estava a meio da manhã a cair mais de 6% na sequência da queda de 19,11% das cotações do setor bancário.

A queda da bolsa surge numa altura de turbulências para o Governo de esquerda radical que enfrenta contestação social e exigências de rigor dos credores do país.

A cair desde o início da sessão, o principal índice da bolsa de Atenas, o ASE, estava pouco depois das 11:24 em Lisboa a cair 6,35% para 471,90 pontos.

À mesma hora, o índice bancário FTSEB estava a perder 19,61%.

A 05 de fevereiro, o ministro das Finanças grego, Euclide Tsakalotos, disse que a Grécia espera concluir as negociações com os credores sobre o avanço das reformas “até ao fim de fevereiro”, após uma semana de conversações difíceis em Atenas.

“Houve pontos de convergência e outros que necessitam de progressos a nível político e técnico”, indicou o ministro, citado pela agência noticiosa grega Ana, sem entrar em detalhes sobre os assuntos abordados.

Após sucessivos encontros com vários ministros, Declan Costello, da Comissão Europeia, Rasmus Rüffer, do Banco Central Europeu (BCE), Nicola Giammarioli, do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MES) e Delia Velculescu, do Fundo Monetário Internacional (FMI), devem regressar a Atenas dentro de duas semanas para “a última fase de negociações”, disse o ministro na sexta-feira passada.

Tsakalotos indicou que as duas partes estão de acordo “sobre a estrutura” das medidas previstas em matéria de impostos e de reformas.