O estudo prévio para a construção de um hotel no Mosteiro de Alcobaça será apresentado até ao final da semana à Direção Geral do Património, divulgou hoje a câmara durante uma visita do ministro da Cultura ao monumento.

“O concurso público determina que o estudo prévio seja entregue à Direção Geral do Património e Cultura (DGPC) até ao final desta semana, para ser avaliado e submeter ao Tribunal de Contas esta concessão [do claustro do Rachadouro] por 50 anos ao Grupo Visabeira”, afirmou o presidente da Câmara de Alcobaça, Paulo Inácio.

Em causa está a construção de um hotel de cinco estrelas no Claustro do Rachadouro. O concurso de concessão foi lançado pela DGPC em maio do ano passado e determinava que os potenciais interessados na concessão do claustro e jardins envolventes apresentassem “uma proposta concreta, do ponto de vista arquitetónico”.

O concurso teve como único concorrente o Grupo Visabeira, que ali pretende instalar um hotel desenhado pelo arquiteto Souto Moura e com um investimento superior a 15 milhões de euros.

O projeto da unidade – com 80 quartos, spa, um espaço comercial e um jardim que será parcialmente aberto à população — foi hoje apresentado ao ministro da Cultura, João Soares, que considerou que o mesmo conjuga “a iniciativa privada com sensibilidade cultural e patrimonial com o esforço da autarquia” para viabilizar a recuperação daquele património.

A atribuição do hotel ao Grupo Visabeira é, para o governante, “uma garantia de qualidade” do equipamento, que, acredita, “irá pôr Alcobaça ainda mais no centro daquilo que são os encontros mais importantes da nossa terra”, já que o hotel disporá de espaços para acolher “grandes conferências internacionais”.

Paulo Inácio afirmou que recebeu do Grupo Visabeira a garantia de que “o prazo de conclusão do hotel poderá ser encurtado”.

O concurso determinava um ano para o desenvolvimento do projeto e três anos para construção. No entanto, acrescentou o autarca, “o Grupo Visabeira acha que consegue cumprir em muito menor tempo estes pressupostos” prevendo o município que a obra possa iniciar-se no final do ano e ficar concluída mais rapidamente”.

A visita ao mosteiro, onde foi apresentado o projeto, foi antecedida de uma visita de João Soares ao Museu do Vinho.

O ministro passou ainda pelo Mosteiro de Cós, onde Paulo Inácio lhe entregou um dossiê sobre a elevação daquele património, classificado Imóvel de Interesse Nacional, a Monumento Nacional.