Levantar-se, lavar os dentes, comer o pequeno-almoço, tomar um duche e vestir-se. Esta é a rotina normal de um estudante, português ou norte-americano. Mas, se é cedo para dizer que estará para acabar, na escola secundária de Anderson County (situado na cidade de Lawrenceburg, no estado de Kentucky) parece ter os dias contados: a partir de agora, os alunos passarão a poder ir vestidos com umas confortáveis calças de pijama.

As alterações às regras de vestuário, que incluem também a possibilidade das estudantes levarem leggings para o liceu (o que também estava proibido), foram aprovadas em reunião pelo conselho da escola, composto por oito representantes: o diretor, Chris Glass, quatro professores e três pais. Nenhum apresentou “objeções” às mudanças, segundo explica a estação norte-americana WLKY.

O diretor, Chris Glass, sublinhou mesmo o impacto positivo que as alterações, que foram aprovadas em regime de teste, podem ter nos alunos:

Isto significa tornarmos um pouco mais descontraídas [as regras de vestuário], mas acho que [os alunos] ficarão extremamente contentes”, disse ao jornal local Paducha Sun.

Porém, nem todos concordam com a ideia. E há mesmo quem sugira que permitir que os alunos vão para a escola de pijama os torna ainda mais preguiçosos do que já são, como Gabrielle Ann, mãe que tem um dos seus filhos na escola: “Porque é que estamos a permitir aos nossos jovens que sejam preguiçosos? A sério, já não são suficientemente preguiçosos hoje em dia?”, insurgiu-se.

A opinião crítica é partilhada pelo diretor adjunto do liceu de Murray, cidade do mesmo estado. “Com o nosso código de vestuário estamos a tentar, de certa forma, preparar os alunos para a vida para além do liceu, para a vida no mundo real. Portanto, não permitimos pijamas nem calças de pijama. Nem chinelos. Nada disso é permitido”, afirmou Heath Walls, citado pelo mesmo jornal.