Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Primeiro foram os bocejos, depois a animação. Ou seja, primeiro tocaram os Coldplay e depois chegou Bruno Mars e, principalmente, Beyoncé. No intervalo da Super Bowl há duas atrações: os anúncios e a música. Este ano, a banda principal foram os Coldplay, que tocaram “Viva la Vida,” “Paradise” e “Adventure of a Lifetime”. Os Coldplay foram “um vazio no meio de uma explosão de exuberância”, escreveu o New York Times.

Bruno Mars e Mark Ronson animaram um pouco o estádio com “Uptown Funk”, mas as coisas só se tornaram verdadeiramente agitadas com a entrada de Beyoncé. Vestida com (pouco) cabedal preto, com o casaco a relembrar o ‘rei do pop‘ Michael Jackson, interpretou, entre outras, a canção que tinha lançado na véspera, “Formation”. Foi uma atuação cheia de referências políticas, de Malcolm X aos Black Panthers.

[Veja aqui as atuaçõe de Coldplay, Bruno Mars e Beyoncé na Super Bowl]

https://www.youtube.com/watch?v=UoGTDEPfAyg

Logo no começo do jogo houve outro momento musical tradicional — desta vez, o hino foi cantado por Lady Gaga, que interpretou a “Star Spangled Banner” ao estilo gospel.

https://www.youtube.com/watch?v=ITIjZkcNpTA

O hino foi traduzido para linguagem gestual pela atriz Marlee Matlin, que é surda.