Papa Francisco

Papa inaugura Quaresma e envia sacerdotes pelo mundo para perdoar pecados

O papa inaugurou a Quaresma com os ritos de Quarta-Feira de Cinzas e enviou sacerdotes para todo o mundo para absolver os pecados dos fiéis, incluindo os considerados mais graves pela Igreja Católica, como o aborto.

ANGELO CARCONI/EPA

O papa inaugurou a Quaresma com os ritos de Quarta-Feira de Cinzas e enviou sacerdotes para todo o mundo para absolver os pecados dos fiéis, incluindo os considerados mais graves pela Igreja Católica, como o aborto.

A basílica de São Pedro acolheu hoje a missa de Quarta-Feira de Cinzas, que tradicionalmente se celebrava no monte Aventino, uma das sete colinas de Roma, e durante a cerimónia, o papa Francisco atribuiu a mais de mil sacerdotes a missão de viajar pelas dioceses de todo o mundo.

Trata-se dos “missionários da misericórdia”, e são uma das principais novidades do Ano Santo Extraordinário em curso.

Dos mais de mil sacerdotes, cerca de 700 estiveram hoje na missa, indicou o Vaticano, e a eles se dirigiu o papa durante a homília, recomendando-lhes que ajudem os fiéis “a abrir as portas do coração, ultrapassar a vergonha e não fugir da luz”.

“Que as vossas mãos bendigam e incentivem os irmãos e as irmãs, que através de vós o olhar e as mãos do Pai pousem sobre os seus filhos e curem as suas feridas”, disse.

Francisco concedeu-lhes a faculdade de absolver os pecados, incluindo aqueles que estão reservados à sede apostólica, ou seja, aqueles que só o papa ou os organismos designados pelo Vaticano podem perdoar.

Esses são os que implicam a excomunhão automática e são “apostasia, heresia, cisma, profanação da Eucaristia, atentado ou violência física contra o papa ou a ordenação de bispos”.

Os missionários poderão também absolver o pecado do aborto, que, até agora, só o papa e os bispos podiam fazer, e a sua missão durará até terminar este período jubilar, a 20 de novembro próximo.

Ao inaugurar a Quaresma, o período em que os católicos se preparam espiritualmente para a Páscoa, o papa recomendou que estes sigam “três medicamentos que curam o pecado”: a oração, a caridade e o jejum.

Durante a cerimónia, as cinzas foram benzidas e colocadas em primeiro lugar na cabeça do próprio papa que, ato contínuo, as aplicou na fronte dos membros do clero e dos fiéis que desfilaram à sua frente, no altar papal da basílica.

Na homília, Francisco falou do “mistério do pecado”, dizendo: “Afastámo-nos de Deus, dos outros e de nós mesmos”.

“Não é difícil darmo-nos conta: (…) como é árduo amar os outros, em vez de pensar mal deles; como nos custa fazer o bem, enquanto somos tentados e seduzidos por tantas realidades materiais, que desaparecem e depois nos deixam pobres”, disse.

O papa manifestou o desejo de que “a Quaresma seja um tempo de “benéfica poda da falsidade, da mundanidade e da indiferença”.

“Para não pensarmos que ‘tudo corre bem, se me corre bem a mim'”, argumentou.

“Que a Quaresma [sirva] para compreender que o que conta não é a aprovação, a busca do êxito ou do consenso, mas a limpeza do coração e da vida; e para encontrar a identidade cristã ou o amor que serve, não o egoísmo que nos serve”, acrescentou.

Aos pés do altar papal, de onde Jorge Bergoglio oficiou a missa, estavam presentes os restos do Padre Pío de Pietrelcina e de São Leopoldo Mandic, dois santos capuchinhos muito venerados em Itália e que foram expostos no Vaticano no âmbito das celebrações do Jubileu.

Após a missa, as urnas de cristal contendo os restos de ambos foram transportadas em procissão pela nave central da basílica, para dar aos fiéis a oportunidade de os ver de perto.

Quinta-feira será o dia em que as relíquias empreenderão a viagem de regresso aos lugares em que tradicionalmente repousam, realizando-se, para tal, uma cerimónia de despedida do Vaticano.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)