Porto

Rui Moreira admite apelar ao boicote da região Norte à TAP

2.828

O presidente da Câmara do Porto considera que a luta e o tom severo da discussão são para manter. Presidente da Câmara de Vigo quer que a União Europeia investigue as declarações de Rui Moreira.

© João Manuel Ribeiro / Global Imagens

Autor
  • Sara Otto Coelho

Mantém-se a guerra aberta entre a Câmara Municipal do Porto (CMP) e a TAP em relação à supressão de voos do Aeroporto Francisco Sá Carneiro. “Acho que ainda não chegou o tempo de nos calarmos”, disse Rui Moreira, esta quarta-feira, em reunião de câmara. Se a companhia aérea com 50% de capital público não reverter, total ou parcialmente, a sua “estratégia de desvalorização” do aeroporto do Porto, o presidente admite apelar à população do norte que boicote a TAP.

“Temos feito contactos com outras companhias aéreas”, disse Rui Moreira, respondendo ao vereador Alberto Amorim Pereira, que defendeu que, dada a decisão de manter a gestão da TAP privada, “fazer exigências é uma causa perdida“. Ao mesmo tempo que procura captar mais voos para o Porto, o presidente lembrou o apoio de outros autarcas da região Norte, bem como da Associação Metropolitana do Porto, da Associação Comercial e do Eixo Atlântico, para reiterar que a luta é para continuar. “Vamos fazer uma marcação à zona, dia-a-dia vamos apurar, temos uma equipa grande a trabalhar nisso”, sublinhou.

Se nada resultar, Rui Moreira partirá para a “próxima fase”: tentar afetar a estratégia comercial da companhia aérea apelando, no limite, à população da região Norte para que “não use a TAP“. “Temos sido uns carneiros. Temo-nos deixado iludir com promessas sucessivas”, lamentou o autarca, dando como exemplo a construção do TGV, que inicialmente previa a passagem pelo Porto e que, a acontecer, “vai ser só Lisboa – Madrid”. O investimento no novo porto de águas profundas no Barreiro, que servirá a região de Lisboa, em detrimento do investimento necessário ao Porto de Leixões, foi outro dos exemplos debatidos entre os vereadores.

Para o presidente, os 16 voos diários previstos entre Porto e Lisboa, anunciados pela TAP, foram criados apenas porque “há uma frota de aviões parada no Brasil”. “É o interesse da White e da Azul [ propriedade de David Neeleman] que está a ser privilegiado” e não o do Porto, acusou. A ponte aérea, aliada ao encerramento dos voos de médio curso para Roma, Barcelona, Bruxelas e Milão (Malpensa), e à criação de uma ligação direta entre a Vigo e Lisboa é, para o executivo portuense, uma estratégia para tirar os passageiros do Porto, sobrelotar o Aeroporto da Portela e, assim, forçar a construção de um novo aeroporto e, daí, “a terceira ponte, o TGV…”.

Presidente da Câmara de Vigo considera pressão de Rui Moreira “intolerável”

“O presidente da Câmara de Vigo pediu hoje à Comissão Europeia para investigar as minhas palavras. O presidente da Câmara do Porto não recebe lições de Vigo”, disse ainda Rui Moreira, comentando uma notícia desta quarta-feira do jornal Faro de Vigo onde o seu homólogo Abel Caballero pede que Bruxelas investigue a pressão sobre o mercado livre. O autarca de Vigo está satisfeito com a abertura da ligação à capital portuguesa e teme que a decisão seja revertida.

Caballero sublinha que a decisão é da responsabilidade da companhia “privada” e lamenta a Invicta recorra a “pressões” para cancelar o voo e destruir o tráfego aéreo de Vigo.

Este é um dos “incómodos” que a luta pelo aeroporto Sá Carneiro tem criado. “Ao contrário do que tem sido dito por escribas pagos para isso, ouvi na televisão que a CMP tem patrocinado e financiado a Ryanair. É mentira. É mentira!”, lembrou ainda Rui Moreira, que à noite vai estar no Telejornal da TVI a discutir a questão.

“Se não suprime, já ganhámos alguma coisa”

Acusando a TAP de estar “neste momento está a trabalhar na contrainformação”, o autarca deu como exemplo o esclarecimento por parte da companhia de que o voo das 22h45 entre Lisboa e Porto, que servia de ligação à Invicta para os passageiros que vinham de voos de médio curso, a partir da Europa, não seria descontinuado, desmentindo uma comunicação do portal oficial da CMP de terça-feira. “O horário de verão da TAP entre o Porto e Lisboa integra também o voo de Lisboa que parte às 22h45”, disse a empresa à Lusa. No entanto, o Observador tentou encontrar voos no site da TAP para esse horário e ele não se encontra disponível. “Se não suprime, já ganhámos alguma coisa”, concluiu Rui Moreira, sobre o potencial recuo.

“Faro também já só tem um voo, para Lisboa. Para os Açores a TAP só representa 7%. Como é que é possível que os Açores tenham crescido com a chegada dos privados? A TAP neste momento não presta um serviço estratégico ao país. E o pior é ficar como empresa de bandeira, porque assim não podemos arranjar alternativas internacionais”, criticou Rui Moreira.

“Porque é que não pedimos à TAP que retire a lógica de bandeira?”, questionou o vereador Ricardo Valente. “Para que o Porto tenha a capacidade de gerir o seu aeroporto. Retira-se assim o monopólio.”

Notícia atualizada à 18h05. A entrevista de Rui Moreira será na TVI e não na RTP1.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Investimento público

A tragédia de Pedro Marques

Inês Domingos
211

Com um quadro Centeno confessou inadvertidamente como foi um dos principais responsáveis pelo desastre de atuação de Pedro Marques, sendo que este também não foi capaz de aplicar os fundos de Bruxelas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)