Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O ministro da Saúde sofreu a sua primeira baixa. António Ferreira, que foi nomeado para coordenar a comissão de reforma hospitalar em dezembro de 2015, apresentou o pedido de demissão, alegando motivos de natureza pessoal, confirmou o Observador junto do mesmo.

“Realmente pedi demissão da comissão para a qual fui convidado, por questões pessoais. Já trabalhámos bastante, mas estou completamente estoirado. Saio por razões de ordem pessoal e familiar”, garantiu o médico do Hospital de São João, no Porto.

Desmentindo rumores que começaram a circular, de que teria saído em jeito de bate porta por não se entender com o ministro da Saúde, e por alegadamente ter sido obrigado a afastar-se da administração do São João, António Ferreira afirmou que sai “absolutamente tranquilo” e sem qualquer problema nem com o secretário de Estado — “pessoa com quem trabalhei toda a vida”, — “nem com o senhor ministro da Saúde”. O médico acrescentou ainda que teve “possibilidade de convidar quem quis” para a dita comissão da reforma hospitalar.

Esta notícia chega no dia em que António Ferreira deixa também o conselho de administração do Centro Hospitalar de São João, no Porto. “Não me oponho nada ao conselho de administração que vai tomar posse no São João. É gente de um nível fantástico, é gente do hospital, com quem trabalhei durante anos. Estamos perfeitamente coesos”, atestou.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Por agora, diz, vai tirar um mês de férias, findo o qual voltará a ser médico no São João. Quanto a outros voos:”Não tenho nada previsto, neste momento”.

O ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, terá agora de encontrar um substituto para António Ferreira, sendo que ainda não terá um nome escolhido.