Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A unidade central de operações da Guarda Civil espanhola entrou esta tarde na sede do PP, em Madrid, onde analisou o computador do ex-dirigente regional do partido, Beltrán Gutiérrez Moliner, noticia o El País. As autoridades fizeram ainda buscas na casa de Moliner e na de Javier López Madrid (filho do empresário e ex-ministro/ex-vice-presidente de governo, Juan Miguel Villar Mir), bem como na sede da Obrascón Huarte Lain, uma multinacional espanhola cujo conselho de administração Javier Madrid integra.

As buscas, feitas após mandado emitido pelo juiz espanhol Eloy Velasco, enquadram-se na “Operação Púnica”, uma investigação que desmantelou uma rede de corrupção em Espanha, que incluía vários políticos do PP, entre os quais Francisco Granados, ex-número dois do PP Madrid, que é acusado de ser o mentor da rede de corrupção.

As autoridades estarão a investigar um alegado financiamento ilegal do PP Madrid, e vários crimes cometidos por ex-dirigentes regionais do partido, entre os quais suborno e branqueamento de capitais, segundo o El País.

A Cadena Ser afirma que Javier López Madrid é suspeito de pagamentos ilegais feitos ao ex-dirigente “popular” Beltrán Gutiérrez Moliner. Este último, no seguimento das investigações, foi obrigado a demitir-se do cargo de dirigente político em novembro de 2014. A mesma estação afirma ainda que várias empresas de construção civil espanhola são suspeitas de financiarem sondagens eleitorais em municípios geridos pelo PP. Em troca, receberiam adjudicações públicas para projetos estatais.

Outro dos pontos da investigação, segundo a Cadena Ser, é perceber se a empresa Waiter Music foi contratada por preços excessivamente baixos para organizar atos e comícios do PP Madrid. Em troca, a empresa receberia adjudicações para eventos públicos, organizados na capital espanhola.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR