Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os pinguins de Cape Denison, na Commonwealth Bay, Antárctida, estão a morrer aos milhares. Desde 2011, já desapareceram 150 mil espécimes e tudo por causa de um icebergue gigante, praticamente do tamanho da cidade de Roma. Este colosso encalhou perto da colónia onde se encontra esta comunidade de pinguins, o que os obriga a fazer quase 60 quilómetros até ao mar para conseguirem comida. Muitos não resistem à travessia e acabam por morrer.

“A chegada do icebergue B09B à Commonwealth Bay, na Antárctida Oriental e, posteriormente, a expansão rápida do gelo aumentaram drasticamente a distância que os pinguins em Cape Denison têm de viajar em busca de comida”, concluiu uma equipa de investigadores da Universidade de Austrália, num artigo científico publicado pela Antartic Science, aqui citado pelo The Guardian.

De acordo com a investigação, esta comunidade de pinguins pode desaparecer dentro de 20 anos, a menos que o icebergue gigante “se desloque ou que o gelo entretanto criado se desfaça”.

Os investigadores acreditam que o icebergue tem andado a flutuar perto da costa durante os últimos 20 anos, antes de embater contra o glaciar e ficar preso, em 2010. Nessa altura, havia mais de 160 mil pinguins na região. Presa na região, impedidos de procurar comida nas proximidades, os pinguins acabaram por morrer. A comunidade passou de 160 mil para 10 mil em pouco mais de cinco anos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR