Rádio Observador

Redes Sociais

O que têm Jorge Jesus, Marcelo e Deus em comum? São alvos de paródia no Twitter

Deus, Marcelo, Jorge Jesus, Bruno de Carvalho, António Costa. Na semana em que o Twitter proibiu uma conta que satirizava o primeiro-ministro, fomos descobrir outros perfis fictícios.

Ilustração: Milton Cappelletti

Luís Filipe Vieira considera-se o “Melhor Presidente da História do Benfica”. Bruno de Carvalho não tem dúvidas: “Eu sou o Sporting. O Sporting sou Eu”. Marcelo Rebelo de Sousa prefere apenas lembrar que é “nadador-salvador em Salvaterra de Magos e da Pátria”. Já Pedro Passos Coelho garante que orienta a “vida pelos 5 pês: Pedro, Pai, Primeiro-ministro, Patriota e Pin” — e também é especialista em “farófias”. Jesus Cristo só precisa de três palavras para dizer quem é: “Carpinteiro. Curador. Deus”.

Não, nem Luís Filipe Vieira disse que era o melhor presidente da história dos encarnados, nem Marcelo disse que era nadador-salvador em Salvaterra de Magos. E é muito pouco provável que Jesus Cristo se descrevesse como carpinteiro, curador e Deus. Na verdade, estes são apenas alguns exemplos de como os utilizadores do Twitter podem ser criativos.

Na rede social do passarinho azul não faltam perfis fictícios e páginas que satirizam algumas das figuras mais conhecidas da vida pública. E nem Jesus Cristo e Deus escapam à paródia.

Em Portugal, o futebol e a política são terreno fértil para o humor. Que o diga Julian Lopetegui, ex-treinador do Futebol Clube do Porto. Ou melhor Lolpetegui. Nesta encarnação virtual, o basco não terá encarado muito bem a rescisão com os azuis e brancos.

(“Eu é que despedi o Porto. A torre do Olival [campo de treinos do Porto] vai comigo para Espanha”, escreveu o falso Julian Lopetegui)

Rivais no mundo real, rivais também no Twitter. Mesmo fictícias, estas personagens interagem e mantêm os ânimos bem acesos. Jorge Jesus, neste caso, MistereJesus não deixou de festejar o despedimento do colega de profissão. E voltou a trocar o nome do antigo treinador do F.C. Porto.

Entretanto, chegou um novo treinador aos Dragões e, como não podia deixar de ser, também o Twitter acompanhou a mudança. José Peseiro, neste caso, Coach_Peseiro, fez questão de mostrar na rede social que já estava a conhecer os cantos à casa. Fê-lo em espanhol. Herança do antecessor?

A ver pela forma como o Coach_Peseiro se descreve, parece não acreditar muito na continuidade no clube. “Empregado do FC Porto durante o próximo ano e meio“, diz a biografia do treinador. Já do lado dos encarnados, o ProfRuiVitória segue e soma. Começou discreto, mas parece já ter encontrado o rumo. No Twitter, dá a tática.

Numa altura em que o clube continua longe do primeiro lugar, era de esperar que Jorge Nuno Pinto da Costa tivesse uma estratégia já pensada.

Na vida real, o presidente dos portistas trocou de treinador e avançou com a recandidatura à liderança do clube. No Twitter, Pinto_da_Costa faz juras de amor aos dragões e descarta Cavaco Silva.

Enquanto Pinto da Costa vai gerindo como pode uma época menos feliz, Bruno de Carvalho parece estar na crista da onda. O clube de Alvalade está novamente no topo do campeonato e continua a alimentar o sonho de se tornar campeão nacional.

@kim_jong_brune, o presidente fictício do Sporting, não quer deixar os créditos pela recuperação do Sporting para os outros e já se confunde com o próprio clube. “Eu sou o Sporting. O Sporting sou Eu“, pode ler-se na pequena nota biográfica.

Além disso, aqui e a ali vai aproveitando para dar bicadas aos seus antecessores:

(A conta de kim_jong_brune foi entretanto eliminada)

O homólogo da Luz não se fica e responde à altura. Também no Twitter, benfiquistas e sportinguistas não brincam nem a feijões. Se kim_jong_brune é o melhor presidente de sempre do Sporting, VieiraReiSol, uma paródia a Luís Filipe Vieira, é o “melhor Presidente que Portugal já viu“. E deixa um conselho: “Não vale a pena tentarem ser como eu”.

E o que tem a dizer o Presidente da República eleito sobre as declarações de VieiraReiSol? O futebol, tal como a política, move paixões e Marcelo Rebelo de Sousa, ou melhor MARCELO_PRESID, prefere não entrar em clubites. Foi isso que fez durante a campanha presidencial e parece ter-se dado bem com essa estratégia.

Mas Marcelo Rebelo de Sousa não é o único a merecer um perfil fictício no Twitter. António Costa até já teve dois – o primeiro acabou por suspenso pela rede social esta semana. Na nova encarnação, Costa_2o não deixou de ser polémico.

Antes de Costa_2o, no entanto, houve outros a desbravarem caminho no campeonato dos perfis fictícios. “Pedro, o PM“, o homem que fazia farófias como ninguém e, tal como a réplica de carne e osso, fazia questão de usar o pin com a bandeira nacional na lapela, tornou-se o caso mais conhecido.

Quando Pedro Passos Coelho, o verdadeiro, deixou a pasta, também o primeiro-ministro fictício deixou de tweetar. E despediu-se assim dos seus seguidores:

Quem parece não ter muita paciência para mensagens como estas é Deus. Sim, também o Criador mereceu página fictícia no Twitter — bastante popular por sinal, como provam os seus quase 3 mil seguidores.

GOD2

(“Só porque há pessoas que são idiotas, isso não significa que tu também não és um idiota”)

Palavras que envergonhariam qualquer filho. Jesus Cristo não é exceção.

(“Desculpem. O Pai bebeu uns copos a mais”)

No Twitter, já se viu, quando a conversa chega aos perfis fictícios, são poucos os que se entendem. Por isso mesmo, há quem esteja sempre atento e tente convencer todos os fiéis a juntarem-se ao outro lado. E as condições nem são as piores.

(“O satã ama-vos. E há WiFi à borla no inferno”)

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)