pato coelho

Olhe para a imagem que pusemos aqui em cima. O que consegue ver: um coelho ou um pato? Desta vez não há uma resposta certa: esta é uma imagem ambígua criada por Ludwig Wittgenstein e publicada numa revista humorística alemã. De acordo com o filósofo austríaco especializado em lógica, mente e linguagem, esta imagem prova que existem duas formas de ver: “ver que” e “ver como”. Por isso, se viu um pato em primeiro lugar, também conseguirá mais tarde ou mais cedo descobrir o coelho.

Agora, o psicólogo Joseph Jastrow diz que a rapidez com que consegue encontrar um e outro animal é a tradução do ritmo de trabalho do cérebro. E pode também dar pistas sobre o seu nível de criatividade.

Imagine então que viu o pato em primeiro lugar: a rapidez com que, ainda assim, conseguiu identificar o coelho no mesmo desenho é proporcional ao ritmo do seu cérebro e à sua criatividade. Quanto mais depressa encontrar o segundo animal, mais rápido é o seu cérebro e mais criativo é, conta o The Independent.

Um dos tópicos mais curiosos do estudo de Joseph Jastrow é que essa rapidez depende da época do ano. O psicólogo afirma que durante a Páscoa as pessoas têm mais tendência para encontrar o coelho em primeiro lugar, enquanto a partir de outubro a tendência altera-se. Porquê? Num vídeo das conferências TED, o neurocientista Nathan S. Jacobs explica que o cérebro funciona como “diretor de animação 3D muito ocupado de um estúdio dentro do crânio”, algo que depende de “aspetos biológicos por detrás da perceção humana”.