Impostos

Governo quer cobrar às empresas 250 milhões em IRC “antigo”

595

O "Negócios" escreve que a intenção do governo enfrentará resistência nos tribunais, mas o fisco pretende obrigar as empresas a pagar IRC sobre os chamados "resultados internos" suspensos.

Fernando Rocha Andrade, à direita, quer avançar com a medida já este ano.

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

O governo quer obrigar algumas empresas a pagar imposto (IRC) sobre cerca de 1.000 milhões de euros dos chamados resultados internos suspensos, noticia o Jornal de Negócios esta segunda-feira. Trata-se de resultados relacionados com operações de compra e venda de ativos entre empresas do mesmo grupo económico – isentas de pagar IRC graças ao regime de tributação consolidada que existia até 2000 e, depois disso, graças a um regime transitório que foi criado. Em causa poderá estar um encaixe para o Estado de até 250 milhões de euros, mas a intenção do governo enfrentará grande resistência nos tribunais.

Segundo o Jornal de Negócios, o fisco identificou cerca de 1.000 milhões de euros destes resultados internos suspensos, ganhos que aconteciam, por exemplo, quando uma empresa vendia um imóvel a outra do mesmo grupo – o eventual lucro está isento do pagamento de IRC. A proposta de lei em que o governo está a trabalhar quer que as empresas que tenham estes resultados internos suspensos os incluam no lucro tributável ao longo dos próximos três anos.

Na entrevista que Fernando Rocha Andrade deu ao jornal, o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais garantiu que se trata de um pequeno número de entidades empresariais que têm resultados internos suspensos significativos. Mas vários especialistas ouvidos pelo Jornal de Negócios dizem que, se a proposta de lei avançar, haverá “um contencioso muito grande”. Já a prever contestação, Rocha Andrade disse na entrevista ao jornal que “se deixássemos de fazer medidas fiscais porque elas vão ser contestadas pelas grandes empresas, tínhamos de revogar metade dos códigos fiscais”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Caixa Geral de Depósitos

Caixa para que te quero

Inês Domingos

Centeno quis a toda a força financiar a Caixa para lá do que seria aparentemente preciso, mas disse no Parlamento que não tem interesse no resultado da auditoria que revelou os desmandos socialistas. 

Liberalismo

Por uma alternativa política

Manuel Loureiro

Vivemos contentes com crescimentos poucochinhos, resignados a um aperto económico com que as famílias vivem? Se em 1974 ganhámos a democracia, não estará agora na hora de lutarmos pela liberdade?

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)