Especialistas angolanos e estrangeiros estão a colocar câmaras de vigilância em áreas de conservação para a catalogação de espécies de felinos existentes em Angola, anunciaram hoje as autoridades ambientais do país.

O trabalho, iniciado no princípio deste ano, foi dado a conhecer hoje pelo diretor do Instituto Nacional de Biodiversidade e Áreas de Conservação do Ministério do Ambiente angolano, Abias Huongo.

Segundo o responsável, as câmaras estão a ser montadas em Luengue/Luiana e Mavinga, áreas de conservação da província angolana do Cuando Cubango, e nos parques nacionais do Iona e Bicuar, províncias do Namibe e da Huíla, respetivamente.

“Começamos este ano a trabalhar neste sentido para sabermos a atual situação dos felinos em Angola, incluindo o leão. Precisamos saber o nível de reprodução, suas tendências e situação em termos de extinção”, disse Abias Huongo, citado pela agência noticiosa angolana, Angop.

Abias Huongo considerou importante o trabalho, tendo em conta a falta de informação sobre os felinos em Angola, salientando que no Parque Nacional da Quiçama (arredores de Luanda) havia leões, que hoje já não são vistos.

Leões, hienas, leopardos e chitas são exemplos dessa espécie algumas vezes encontrados em áreas de conservação de Angola.