A produção de azeitona para azeite deverá ter atingido em 2015 o terceiro maior registo dos últimos 75 anos, aproximando-se das 765 mil toneladas, um aumento de 75% face à campanha anterior, indicam as previsões agrícolas do INE. Trata-se do valor mais alto dos últimos 50 anos, sendo que a produção de azeitona para azeite não registava um pico tão alto desde 1964, segundo as mesmas previsões.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) adianta esta quarta-feira que estes resultados foram atingidos graças aos novos olivais intensivos de regadio instalados no sul do país, que permitiram ultrapassar a falta de chuva, prevendo-se a melhor campanha em cinco décadas.

O Alentejo aumentou a área de olival em mais de 13 mil hectares nos últimos dez anos com olivais intensivos, plantados com variedades muito mais produtivas e equipados com sistemas de rega.

As condições climatéricas de janeiro, um mês que se caracterizou por ser extremamente quente e muito chuvoso não tiveram impactos significativos nos trabalhos agrícolas.

“As sementeiras dos cereais de outono/inverno decorreram sem incidentes e estão praticamente concluídas, encontrando-se apenas por semear algumas áreas destinadas à cevada”, acrescenta o INE.

Para a aveia prevê-se um aumento da produtividade de 25%, face a 2015. Em geral, as temperaturas amenas deste inverno permitiram boas germinações das searas de cereais de outono/inverno, que apresentam povoamentos homogéneos e bom desenvolvimento vegetativo, indicam as previsões agrícolas.