Rádio Observador

Mundo

Mais de 60 hospitais sírios apoiados por Médicos Sem Fronteiras atacados em 2015

Mais de 60 hospitais e clínicas apoiados pelos Médicos Sem Fronteiras (MSF) na Síria foram atacados em 2015 e quase 100 dos seus colaboradores foram mortos ou feridos, segundo um relatório da organização divulgado em Paris.

MOHAMMED BADRA/EPA

Mais de 60 hospitais e clínicas apoiados pelos Médicos Sem Fronteiras (MSF) na Síria foram atacados em 2015 e quase 100 dos seus colaboradores foram mortos ou feridos, segundo um relatório da organização divulgado em Paris.

Noventa e três ataques aéreos e disparos de mísseis atingiram em 2015 63 hospitais e clínicas apoiados pela MSF na Síria, matando ou ferindo 81 profissionais de saúde: a infraestrutura de saúde síria “tem sido dizimada” pela guerra, afirma a organização humanitária.

O relatório é divulgado dias depois de uma dessas unidades, na província de Idleb, noroeste da Síria, ter sido atingida por um ataque aéreo que matou pelo menos 25 pessoas.

“O ataque só pode ter sido deliberado. E foi feito provavelmente pela coligação liderada pelo governo sírio, que é a mais ativa na zona”, disse a presidente da organização, Joanne Liu, numa conferência de imprensa em Genebra.

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos afirmou suspeitar, depois de analisar o local, padrões de voo e tipo de aparelhos envolvidos, que o ataque foi realizado por aviões de combate russos, que apoiam as forças sírias. A Rússia nega qualquer envolvimento no ataque.

A organização confirmou por outro lado que as coordenadas daquele hospital não foram comunicadas ao governo de Damasco, por ter sido considerado que essa informação não só não garantia a proteção das instalações como podia torná-las um alvo.

A decisão de não comunicar as coordenadas foi tomada depois de “intensas discussões” entre os responsáveis da MSF e os diretores do hospital.

A MSF trabalha na Síria maioritariamente em zonas controladas por grupos opositores e sem autorização formal do governo de Damasco.

“Pedimos muitas vezes para trabalhar nos locais onde somos mais precisos, mas a resposta foi sempre negativa”, explicou Isabelle Defourny, diretora de operações da organização.

A MSF apenas dispõe atualmente de três estruturas próprias na Síria – depois de três dos seus médicos terem sido raptados em 2014 no noroeste do país e libertados meses mais tarde -, dando o seu apoio a hospitais e clínicas existentes através do envio de material e de medicamentos.

No relatório, a organização afirma que, em 2015, as instalações de saúde que apoia em toda a Síria registaram 7.009 mortos e 154.647 feridos.

“155.000 feridos de guerra é qualquer coisa que nunca tínhamos visto em 44 anos de operações da MSF. A Síria é uma máquina de matar”, disse Liu.

Mas “a situação real é muito provavelmente bem pior”, acrescentou, precisando que os “70 hospitais e centros médicos apoiados pela MSF na Síria são uma pequena parte das estruturas médicas na Síria”.

As mulheres e as crianças representam 30 a 40 por cento das vítimas, “sugerindo que as zonas habitadas por civis têm sido constantemente alvo de bombardeamentos aéreos e de outro tipo de ataques”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)