Amas

Amas apelam ao Governo para mudar lei e evitar que centenas fiquem no desemprego

Presidente da Associação dos Profissionais do Regime de Amas (APRA), Romana Sousa, apela ao Governo para mudar a lei que regula esta profissão e evitar que centenas de amas fiquem no desemprego.

JOSÉ COELHO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A presidente da Associação dos Profissionais do Regime de Amas (APRA), Romana Sousa, apelou hoje ao Governo para alterar a legislação que regula esta profissão, para evitar que centenas de amas fiquem no desemprego.

A legislação que regula pela primeira vez a profissão entrou em vigor a 21 de agosto, e obriga as amas a inscreverem-se na Segurança Social, ter formação contínua, seguro de acidentes pessoais, pagamento pela emissão de autorização e sujeição a coimas para quem exercer sem licença.

Fazendo um balanço dos seis meses da aplicação da lei, Romana Sousa disse à agência Lusa que “a ameaça do medo e de exclusão” levou muitas amas da Segurança Social a deixarem a profissão.

As “primeiras vítimas” são as amas da Segurança Social, que trabalham diretamente com o Estado, porque “as que já foram enquadradas em instituições estão a trabalhar”, disse a responsável, observando que, em 2014, eram cerca de 700 e hoje não chegam às 400.

Romana Sousa contou que há muitas amas que, por não terem crianças ou por terem apenas uma, tinham de continuar a pagar Segurança Social e acabaram por desistir.

“Como as instituições não descontaram os 5% que tinham a obrigação de descontar, as amas nem têm direito a fundo de desemprego e as contribuições que fizeram para a Segurança Social foram enormes”, criticou.

“Há muitas que ficaram pelo caminho, umas tentaram a pré-reforma e não estão a receber, outras tentaram o desemprego e não estão a receber. É a triste sorte de ter sido ama do Estado português”, sustentou.

Para travar esta situação, Romana Sousa apelou ao Governo para alterar a legislação, principalmente o artigo 41, segundo o qual a responsabilidade da Segurança Social para com as amas cessa a 21 de agosto, um ano após a entrada em vigor do decreto-lei.

“Tudo o que diz relação às amas é de uma injustiça tremenda e, por isso, apelamos a este novo executivo para fazer qualquer coisa em relação à nossa atividade, fazer a alteração ao decreto-lei, e eu sei que está a ser feito”, frisou.

Contactada pela Lusa, uma fonte oficial do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social limitou-se a dizer: “Estamos de facto a avaliar, não estando, por isso, a ser equacionada neste momento uma alteração da lei”.

No entanto, é “certo que, no âmbito da avaliação que estamos a fazer a esse regime, consideramos desde já prioritário a celebração de acordos de cooperação que enquadrem as amas que optaram por creche familiar”, disse a fonte, sem avançar mais esclarecimentos.

Romana Sousa adiantou que, apesar de as amas da Segurança Social ficar sem trabalho, tiveram de fazer formação e renovação das licenças.

“Todas as instituições dependem da autorização dada pela Segurança Social e, de um modo geral, todas as amas do país pediram a sua autorização de trabalho, porque sem ela não conseguem trabalhar, seja para quem for”, explicou.

Desde a entrada em vigor da lei, a APRA tem desenvolvido várias ações para alterar a lei. “Estamos a aguardar notícias e estamos com muita esperança em que as coisas vão mudar e que as amas não vão para a rua, não podem ir para a rua”, sublinhou.

“Há amas a trabalhar há quase 30 anos e agora o culminar é mandá-las para a rua, sem direito ao subsídio de desemprego, sem direito a nada. Não pode ser”, afirmou.

A liberalização da profissão de ama foi pela primeira vez anunciada a 08 de junho de 2014, quando o então ministro da Solidariedade, Emprego e Segurança Social, Pedro Mota Soares, revelou que queria que esta atividade deixasse de estar exclusivamente dependente da esfera pública, sublinhando que a profissão existia sem enquadramento e num vazio legal.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cancro

Dia Internacional das Crianças com Cancro

João de Bragança
2.282

O mundo doloroso das crianças e jovens com cancro é isto: a falta de leis, de apoios sociais, de condições ou de políticas, o excesso de protagonismos ou de pequenas lutas próprias.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)