Dívida Pública

Dívida pública passa a ser inferior a 130% do PIB em 2015

A dívida pública portuguesa fixou-se nos 128,9% do Produto Interno Bruto (PIB) no final do ano passado, um ligeiro recuo face aos 130,5% do trimestre anterior e aos 130,2% de 2014, segundo o Banco de Portugal.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A dívida pública portuguesa fixou-se nos 128,9% do Produto Interno Bruto (PIB) no final do ano passado, um ligeiro recuo face aos 130,5% do trimestre anterior e aos 130,2% de 2014, segundo o Banco de Portugal.

O endividamento do Estado situou-se nos 231 mil milhões de euros em dezembro último, quando contabilizado na ótica de Maastricht, o que equivale a 128,9% do PIB, de acordo com o Boletim Estatístico do supervisor bancário que foi hoje divulgado.

No final de setembro de 2015, a dívida pública estava nos 231,9 mil milhões de euros, correspondentes a 130,5% do PIB, na viragem do semestre o valor ascendia a 227,1 mil milhões de euros (128,6% do PIB) e no final do primeiro trimestre era de 228 mil milhões de euros (130,3% do PIB).

No início do mês, o Banco de Portugal já tinha libertado o valor nominal da dívida pública no ano passado, marcado por um aumento de 5,2 mil milhões de euros face ao final de 2014 (225,8 mil milhões de euros e 130,2% do PIB), porém, não era apontada a evolução em função do PIB.

Já a dívida pública líquida de depósitos da administração central terminou o ano passado nos 217,7 mil milhões de euros (mais 4,1 mil milhões de euros do que no anterior mês de novembro), uma evolução justificada com a resolução do Banif no final de dezembro, com as transferências de capital que foram efetuadas pelo Estado e pelo Fundo de Resolução para o banco a implicarem um aumento de 2,3 mil milhões de euros nesta rubrica.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

O regresso do Rei

Luis Teixeira

Os professores acreditam que os 9 anos, 4 meses e 2 dias de tempo de serviço congelado hão-de sair do nevoeiro da dívida e os enfermeiros, que os 68% de aumento hão-de chegar com a maré. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)