Rádio Observador

Qualidade de Vida

Conheça as cidades com melhor qualidade de vida no mundo

307

Apesar dos ataques terroristas e problemas financeiros, a Europa ainda está na mó de cima: sete das cidades no top 10 são europeias. Já Lisboa, na 42º posição, desceu um lugar face ao ano passado.

As cidades europeias continuam a oferecer os mais altos níveis de qualidade de vida do mundo, mesmo considerando os acontecimentos que marcaram o último ano ao nível da segurança, estabilidade social e preocupações económicas — sete das cidades no top 10 (que pode ver na fotogaleria acima), estão dentro dos limites fronteiriços da Europa. As conclusões são do 18º estudo da Mercer, designado Quality of Living 2016, que envolveu 230 cidades.

Segundo o comunicado de imprensa enviado às redações, Viena, a capital da Áustria, está mais uma vez no topo da lista, à semelhança dos últimos sete rankings publicados. Seguem-se Zurique (Suíça), Auckland (Nova Zelândia) e Munique (Alemanha). Já Lisboa surge no 42º lugar, descendo uma posição face à lista do ano anterior. Ainda assim, a capital portuguesa está imediatamente acima de Chicago (43º), Nova Iorque e Tóquio (ambas em 44º).

Fora do velho continente (e à exceção de Auckland), a cidade com melhor posição no ranking é Vancouver, no 5º lugar, enquanto Singapura é a melhor classificada na Ásia (26º lugar).

O estudo da Mercer tem ainda em conta uma lista das cidades com melhor desempenho ao nível da segurança pessoal, tendo em conta características como estabilidade interna, criminalidade, aplicação da lei local e ainda a relação do país com outros. A liderá-la estão Luxemburgo, Berna e Helsínquia.

Na ponta extrema estão Bagdade (23oº posição) e Damasco (229º), que figuram como as cidades menos seguras do mundo. Lisboa, por sua vez, figura no 59º lugar, acima de Lyon, Milão ou Barcelona.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt
Saúde

A Integração do Eu - Uma Mudanca de Paradigma

Carla Costa

Quando uma considerável percentagem da população de países desenvolvidos já recorreu a terapias alternativas, figuras de autoridade e influência não podem continuar a fechar os olhos a esta realidade.

Crónica

Na Caverna da Urgência

António Bento

A principal queixa do homem contemporâneo é a de uma permanente e estrutural sensação de «falta de tempo». Há uma generalização da urgência a todos os domínios da experiência e da existência moderna.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)