As cidades europeias continuam a oferecer os mais altos níveis de qualidade de vida do mundo, mesmo considerando os acontecimentos que marcaram o último ano ao nível da segurança, estabilidade social e preocupações económicas — sete das cidades no top 10 (que pode ver na fotogaleria acima), estão dentro dos limites fronteiriços da Europa. As conclusões são do 18º estudo da Mercer, designado Quality of Living 2016, que envolveu 230 cidades.

Segundo o comunicado de imprensa enviado às redações, Viena, a capital da Áustria, está mais uma vez no topo da lista, à semelhança dos últimos sete rankings publicados. Seguem-se Zurique (Suíça), Auckland (Nova Zelândia) e Munique (Alemanha). Já Lisboa surge no 42º lugar, descendo uma posição face à lista do ano anterior. Ainda assim, a capital portuguesa está imediatamente acima de Chicago (43º), Nova Iorque e Tóquio (ambas em 44º).

Fora do velho continente (e à exceção de Auckland), a cidade com melhor posição no ranking é Vancouver, no 5º lugar, enquanto Singapura é a melhor classificada na Ásia (26º lugar).

O estudo da Mercer tem ainda em conta uma lista das cidades com melhor desempenho ao nível da segurança pessoal, tendo em conta características como estabilidade interna, criminalidade, aplicação da lei local e ainda a relação do país com outros. A liderá-la estão Luxemburgo, Berna e Helsínquia.

Na ponta extrema estão Bagdade (23oº posição) e Damasco (229º), que figuram como as cidades menos seguras do mundo. Lisboa, por sua vez, figura no 59º lugar, acima de Lyon, Milão ou Barcelona.