Ilustração

Desafio: em que torre está a princesa?

A princesa espreitou pela janela, mas não veio em busca do príncipe encantado. Veio antes com mais um desafio para os nossos leitores: consegue adivinhar em que torre está ela? As pistas estão aqui.

Getty Images

Tudo o que promete mexer com o nosso cérebro é um bom exercício para ginasticar a mente e fazer uma pausa do trabalho (por um bom motivo). Chame os seus colegas e tente resolver este desafio publicado no La Voz del Muro. Mete princesas presas em torres, por isso também serve para entrar numa história de encantar. Está pronto? Eis o problema de hoje:

O castelo cá em baixo tem quatro torres e cada torre tem apenas uma janela. Numa destas torres – numeradas de 1 a 4 – está uma princesa. Quando a princesa espreita pela janela da sua torre vê, à direita, a torre dos cavaleiros e, à frente, a torre do rei. Mas não consegue ver a janela da torre dos criados. Então, em que torre está a princesa?

en-que-torre-esta-la-princesa

Mais uma vez, vamos fazê-lo esperar um bocado. Assim terá tempo de refletir sobre uma resposta certeira – ou então de desistir de vez. Para saber em que torre está a nossa princesa permaneça neste artigo e chegue um pouco mais abaixo. Depois de todas as reticências está, finalmente, a solução. Até já!

….

Ora bem, a princesa está na torre 2. Nós não sabemos qual é a torre dos reis nem a torre dos cavaleiros, mas sabemos a sua posição em relação à princesa. Se só há quatro torres, então a torre dos criados só pode estar à esquerda da princesa, porque a do rei está em frente e a dos cavaleiros está à direita. Posto isto, a única posição onde a princesa consegue ver a torre dos criados mas não a sua janela (como indica o enunciado) é se a sua torre for a número 2.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Civilização

A evidência é desprezada?

António Cruz Gomes

Ainda que nascidos transitórios – para viver no mundo, com o mundo e pelo mundo – fomos indelevelmente marcados por uma aspiração transcendental.

Crónica

Partir A. Ventura /premium

José Diogo Quintela
123

Ventura quer mudar o sistema por dentro. É uma espécie de supositório humano: faz-se introduzir no organismo para depois exercer a sua influência. Ei-lo metade glicerina, metade convicção ideológica.

Cinema

Amigos improváveis e a solidão dos revolucionários

António Pimenta de Brito

O filme “Greenbook” é um hino a uma liberdade que pode fazer tudo, uma liberdade que, mesmo com condicionantes, não desiste das suas possibilidades, na busca pela felicidade, dignidade e amor.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)