Rádio Observador

País

Queima das Fitas do Porto acaba com a garraiada

373

Desde 1948 que a Queima das Fitas, maior festa do Porto a seguir ao São João, encerra com a garraiada na Praça de Touros. Isso acaba agora. "Já não é representativo dos estudantes".

O facto de haver protestos todos os anos "significa que chegou o momento de olhar e avaliar", explica Tomé Duarte

© Global Imagens

Os estudantes universitários do Porto já não vão encerrar a semana de festas da Queima das Fitas com a tradicional garraiada na Praça de Touros da Póvoa de Varzim. “A fraca adesão dos estudantes nesta atividade nos últimos anos e a queda da tradição tauromáquica entre os jovens portugueses são alguns dos motivos que sustentam a decisão da Academia do Porto”, anunciou esta quarta-feira o Magnum Consillium Veteranorum, um dos parceiros  da organização. A suspensão entra já em vigor este ano.

A medida esteve em votação na Federação Académica do Porto no ano passado e o resultado terminou 13 – 12 a favor da manutenção desta tradição, que se iniciou em 1948, na Praça de Touros de Guimarães, e que nos últimos 20 anos acontece na Póvoa de Varzim. Isso vai mudar. Apesar de a Assembleia Geral deste ano ainda não se ter realizado e de o fim não ter sido ainda votado, Tomé Duarte, representante do Magnum Consillium Veteranorum da Academia do Porto, diz ao Observador que o fim da garraiada tem o apoio da direção da Federação Académica do Porto e da maioria dos representantes votantes.

“Na moção de 2015 disse-se que a garraiada não é representativa dos estudantes. Neste último ano avaliámos se era ou não representativo e realmente concluímos que, nos últimos anos, a adesão tem sido cada vez menor. Já não lhes diz muito”, explica o estudante da Faculdade de Engenharia.

Garraiada da Queima das Fitas do Porto

É frequente haver protestos à porta da Praça de Touros em dia de garraiada. © Global Imagens

A garraiada, que este ano se realizaria a 8 de maio, é feita habitualmente com um bezerro. Vários estudantes entram na Praça de Touros para desafiar o animal, mas sem recurso a bandarilhas como nas touradas. As petições pelo fim do evento sucedem-se. A mais recente surgiu a 11 de fevereiro e, passados 13 dias, reúne 5.558 assinaturas.

É uma vergonha que se gaste anualmente mais de 4 mil euros a financiar um “evento” que nada tem a ver com a missão que guia as associações de estudantes. A garraiada não pode constar mais um ano no programa da Queima das Fitas do Porto, mantendo-se um embaraço para toda a Academia”, pode ler-se na petição, que considera a garraiada “um ato de tortura e exploração animal”.

Tomé Duarte recusa que a decisão tenha a ver com esta ou outras petições. “Eu só a li depois de a decisão já estar tomada. Mas o facto de haver protestos todos os anos em frente à Praça de Touros da Póvoa e de as pessoas protestarem significa que chegou o momento de olhar e avaliar”, conclui.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)