Rádio Observador

CGTP

CGTP: Socialistas, bloquistas e independentes assinam manifesto por abertura da central sindical

Mais de 100 sindicalistas socialistas, bloquistas e independentes subscreveram um manifesto onde defendem a renovação do sindicalismo e uma maior abertura da central ao diálogo com a sociedade.

Manuel Almeida/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Mais de 100 sindicalistas socialistas, bloquistas e independentes subscreveram um manifesto a propósito do XIII Congresso da CGTP onde defendem a renovação do sindicalismo e uma maior abertura da central ao diálogo com a sociedade para obter soluções favoráveis aos trabalhadores.

“O XIII Congresso da CGTP-IN não deve ser uma oportunidade perdida para uma renovada afirmação do sindicalismo”, diz o documento que vai ser distribuído na sexta-feira aos congressistas e convidados da Intersindical.

Os subscritores do manifesto consideram que “é preciso enfrentar com verdade e rigor os problemas actuais do trabalho, do sindicalismo e do contributo dos sindicatos para uma política diferente no novo ciclo político. Para isso é necessário que o congresso seja um espaço de debate e deliberação inclusivo e democrático”.

O documento salienta-se que a CGTP-IN realiza o seu XIII Congresso, sexta-feira e sábado, “no contexto de um novo ciclo político mais favorável aos trabalhadores, após as eleições legislativas em que a maioria dos portugueses recusou a austeridade dos últimos anos e votou pela mudança, entregando a maioria de votos e de mandatos aos partidos da esquerda”, que viabilizaram um Governo socialista.

“Esta mudança política de grande alcance é inseparável do firme combate e da ampla mobilização social desenvolvidos pelos trabalhadores e pela CGTP-IN contra a austeridade, que se somou à resistência e à iniciativa de outros movimentos sociais, espaços de cidadania e forças políticas. A direita acabou derrotada e desalojada da governação”, reconhecem os sindicalistas.

Os subscritores do manifesto consideram que o novo quadro político “apresenta melhores condições e novas possibilidades para o combate da CGTP-IN e para a acção coletiva dos trabalhadores em defesa do trabalho digno e dos direitos sociais”.

“O sindicalismo de classe, independente, democrático e solidário que a CGTP-IN representa, é assim chamado a ter um papel da maior relevância social e política para a consolidação e o desenvolvimento de soluções políticas favoráveis aos trabalhadores e ao país”, consideram.

Os sindicalistas defendem ainda que “a construção da unidade e dos denominadores comuns de acção colectiva se fundamente no reconhecimento de que todas as opiniões contam, que os problemas devem ser enfrentados e debatidos e não ignorados” e a diversidade deve ser reconhecida e usada para fortalecer a CGTP-IN e a democracia sindical.

“Os trabalhadores precisam de uma CGTP-IN mais aberta, mais democrática, mais disponível para o diálogo com a sociedade, com os agentes políticos e com as outras organizações sindicais e movimentos sociais”, diz o manifesto, que defende a revitalização do sindicalismo.

Os sindicalistas minoritários da CGTP salientam ainda que “é tempo de abandonar uma neutralidade formal sem sentido e promover a filiação na Confederação Internacional dos Sindicatos (CSI)”.

O Manifesto é subscrito por mais de 121 sindicalistas, membros dos órgãos dirigentes da CGTP-IN, de Federações, Uniões, presidentes de Sindicatos e Coordenadores de Comissões de Trabalhadores.

O coordenador da corrente sindical socialista da Inter, Carlos Trindade, é o primeiro subscritor do documento, no qual constam ainda os nomes do dirigente do Sindicato de Professores de Lisboa, António Avelãs, e o coordenador da Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa, António Chora, entre outros.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira
989

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)