O Presidente da República homenageou os representantes da República para as regiões autónomas, sublinhando que a extinção deste cargo só pode ser defendida por desconhecimento das suas funções e competências, porque tal seria “extremamente gravoso”.

“Só o desconhecimento do papel e das competências dos representantes da República para as regiões autónomas pode levar alguém a defender a extinção deste cargo constitucional”, afirmou o chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva, antes de condecorar o representante da República para a região autónoma da Madeira, Ireneu Cabral Barreto.

Recorrendo à sua experiência enquanto primeiro-ministro e Presidente da República, Cavaco Silva disse não ter a “mínima dúvida” de que a extinção do cargo “seria extremamente gravosa para as regiões, para o Governo da República e para o Estado unitário que é Portugal”.