Música

Ministars, fado e oito perguntas a Pedro Moutinho

O irmão mais novo de Camané lança esta sexta feira “O Fado em Nós”, álbum gravado no Museu do Fado. Pelo meio recorda como em miúdo os colegas do coro já lhe pediam para cantar no autocarro.

O fadista, hoje com 39 anos, começou a cantar aos 8

João Bacelar

Autor
  • Clara Silva
Mais sobre

Pela primeira vez, Pedro Moutinho, de 39 anos, sai do estúdio para gravar um disco, “um desejo já de há alguns anos”, confessa-nos por telefone nas vésperas do seu lançamento (o disco vê a luz do dia na sexta-feira, 26 de Fevereiro). “Pensei no auditório do Museu do Fado, porque acusticamente tinha as condições que gostávamos e precisávamos e acabámos por gravá-lo em novembro”, começa.

Apesar de estar num auditório, acabou por preferir ter as cadeiras vazias, “para que não existissem barulhos que pudessem passar para a gravação”, explica. “Quer dizer, houve um amigo ou outro que lá passou, também para criar a empatia em cima do palco que tenho quando alguém me está a ouvir.”

Capa Pedro_mini_2

O resultado foi “O Fado Em Nós”, um álbum que deixa o fadista “muito satisfeito” e que é uma espécie de “regresso às origens”, conta. “É um disco muito à volta do fado tradicional. Acabei por ir um pouco aos meus antepassados, mas também ao fado de hoje, daí a importância de autores e compositores como a Manuela de Freitas, a Amélia Muge, ou mesmo a Maria do Rosário Pedreira.”

Para o disco, Pedro Moutinho foi buscar letras de referências suas, não só da música. De Fernando Pessoa a Alexandre O’Neill – este último foi a inspiração para o tema de apresentação “Um Carnaval”, com música de Jaime Santos Júnior e João Braga – há muito por onde escolher.

Além, claro, das recriações de fados clássicos como “Levei a Saudade” de Carlos Ramos, ou “O Fado da Contradição” de Hermínia Silva, que acaba por citar mais tarde quando lhe pedimos nomes de fadistas favoritos. Um disco “mais aberto e mais real”, também por ter sido gravado no museu. “É mais espontâneo, mais do momento, e isso tem muito a ver com o fado.”

Pedro Moutinho ainda se lembra da primeira que cantou para um público, aos 8 anos, numa casa de fados em São João do Estoril a que chamavam “O Morangueiro”. “A sessão de fados começava às 5 da tarde, prolongava-se até à meia-noite, e eu acabava por acompanhar os meus pais. No início só ouvia mas depois cheguei a cantar, já tinha qualquer coisa cá dentro que me fazia gostar daquela música e experimentar.”

Era inevitável, aliás. “Costumo dizer que não fui ter com o fado, ele é que veio ter comigo”, confessa. “Os meus pais eram amantes de fado e cantavam o fado, mas nunca se profissionalizaram. O meu irmão mais velho [Camané] também já cantava na altura e eu desde miúdo que os acompanhava nas casas de fado aos fins-de-semana, foi uma coisa muito natural.”

Primeiro começou a cantar letras mais para crianças – “uma brincadeira, nada muito sério” – e depois fados mais sentidos. Nem quando integrou o grupo Ministars ou, ainda antes disso, o Coro Infantil de Santo Amaro de Oeiras, onde aprendeu muito “a nível de canto e dicção”, deixou o fado de parte. “Quando íamos cantar a qualquer lado, no autocarro, os meus colegas do coro pediam-me para cantar o fado à capela para eles. Sempre esteve muito presente na minha vida.”

O facto de os irmãos serem fadistas (além de Camané, o irmão do meio, Hélder Moutinho, também canta), não o pressionou. “Não sou fadista porque eles são fadistas, nada disso. Tem muito a ver com a minha família, com os meus pais. Temos uma relação muito boa e, acima de tudo sempre nos aconselhámos uns aos outros, embora cada um tivesse seguido o seu caminho. Estamos no fado de formas diferentes e gosto de ouvir tanto um como o outro.”

Questionário rápido

Um fadista preferido de todos os tempos?

Tenho muitas referências… Amália Rodrigues, Beatriz da Conceição, Fernando Maurício, Camané, Carlos do Carmo, Carlos Ramos, Hermínia Silva,… São todos e eram todos muito bons, mas todos diferentes. Tem a ver com fases, ainda hoje me apetece ouvir um, como depois me apetece ouvir outro e respeito muito a obra deles. Não os consigo comparar.

Um fado favorito?

Isso é outra pergunta complicada. Não tenho um favorito, tenho vários. Conforme a minha vida vai andando para a frente, há fases em que gosto mais de um fado, outras que gosto de outro. Acima de tudo gosto de fado. E gostar de fado é o mais importante dentro de todos os fados.

Que outros tipos de música costuma ouvir?

Gosto muito de música brasileira, de Caetano Veloso, de Chico Buarque, Maria Bethânia, entre muitos. Mas também gosto muito de Tony Bennett, Frank Sinatra, bandas como Rolling Stones, U2, Led Zeppelin, muita coisa…

Um concerto a não perder este ano?

Bruce Springsteen vai estar no Rock in Rio, não vai? Gostava de não perder esse concerto.

Uma atuação sua memorável?

Tive oportunidade de cantar na Coreia do Sul no fim do ano passado, com um público muito simpático. Sem entenderem uma palavra do que estava a dizer, entenderam todo o feeling e o sentimento que passa do fado. Das últimas experiências talvez tenha sido a que mais me marcou.

E uma atuação que tenha corrido pior?

Geralmente as coisas correm bem. Não sou perfeito, há atuações em que não me sinto tão bem, mas não me lembro de nenhuma que me tenha corrido mal.

Concertos ou casas de fado?

São coisas distintas, gostos muito das duas coisas. São atmosferas diferentes, ambientes diferentes.

Alguém para fazer um dueto?

Caetano Veloso. E, quase me esquecia, a Mayra Andrade, com quem já fiz um dueto [“Alfama”, em 2010, do álbum “Lisboa Mora Aqui”].

O disco “Fado em Nós” é lançado esta sexta-feira e a digressão de apresentação do álbum vai passar por várias partes do mundo, de Castelo Branco a Roma, não esquecendo o festival Caixa Ribeira no Porto, em junho.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Descobrimentos

Uma lança em África /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
424

Neste tempo, em que muitos se orgulham do que os deveria envergonhar, também há quem se envergonhe das glórias da história de Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)