Se os limites de pesca da sardinha de 2015 deixaram os pescadores descontentes, o que se diria se em vez de pescarem pouco ou menos meses por ano, fossem proibidos de pescar sardinha durante 10 anos? Quem o defende, segundo o Jornal de Notícias, é Paulo Talhada dos Santos, biólogo na Faculdade de Ciência das Universidade do Porto.

A campanha de dezembro do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) mostrou que o stock de sardinha e o recrutamento dos juvenis está a aumentar, mas o investigador critica que ao menor sinal de recuperação se aumentem o esforço de pesca, não deixando recuperar o recurso.

O defesa da pesca da sardinha (período em que não se pode apanhar este peixe) termina esta segunda-feira, mas as organizações de pesca acordaram entre elas só voltar a pescar sardinha a partir de 2 de maio, dessa forma podem esperar pelo momento em que esta tem o maior valor comercial. Além disso, as organizações de pesca acordaram que os barcos só irão para o mar quatro vezes por semana – segunda, terça, quinta e sexta-feira – e terão limites diários.

O Conselho Internacional para a Exploração do Mar recomendou que este ano não devem ser pescadas mais do que 14 mil toneladas de sardinha, mas o Ministério do Mar espera poder chegar às 19 mil toneladas – consoante a campanha de avaliação do IPMA em março.