O ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, solicitou esta segunda-feira a intervenção da Inspeção-Geral das Atividades em Saúde (IGAS) depois das declarações da bastonária da Ordem dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco, sobre a prática de eutanásia nos hospitais do Serviço Nacional de Saúde “debaixo do pano”.

A solicitação de apuramento dos factos é feita com “caráter de urgência e tendo em vista o cabal esclarecimento dos cidadãos”. A Ordem dos Médicos também disse, esta segunda-feira, num comunicado enviado às redações, que iria enviar as declarações da bastonária à Rádio Renascença à IGAS, ao Ministério Público e para aos órgãos disciplinares competentes da Ordem dos Enfermeiros, “para os procedimentos tidos por convenientes”.

A bastonária Ana Rita Cavaco afirmou este sábado que viveu situações em que os médicos sugeriram dar insulina aos doentes para lhes provocar um coma. “Eu não estou a chocar ninguém, porque quem nos está a ouvir e trabalha no SNS sabe que estas coisas acontecem por debaixo do pano. Portanto, vamos falar abertamente sobre isto.”

A Ordem dos Médicos referiu que se “não se pronunciasse sobre estas declarações estaria a legitimá-las implicitamente”, acrescentando que “desconhece concretamente qualquer caso de “eutanásia” explícita ou encapotada nos Hospitais do SNS ou noutras instituições de Saúde”.

O Ministério da Saúde reafirma a sua total confiança nas instituições e nos profissionais do Serviço Nacional de Saúde.