Gravidade Zero? É um jantar no espaço?

Não, é um jantar em Lisboa, no Alma, o restaurante de Henrique Sá Pessoa, onde a gravidade se faz sentir como em qualquer outro ponto da cidade. O nome tem a ver, sobretudo, com a intenção dos responsáveis pelo evento — trata-se de uma parceria do chef com a Amuse Bouche — e que passa por, como diz Ana Músico, da organização, “transportar os presentes para outra dimensão, desconstruir ideias feitas e pormo-nos noutra perspetiva, sem gravidade”. Sá Pessoa, o anfitrião, confirma: “A cozinha está muito agarrada a estilos e escolas. Para mim é muito mais interessante ter chefs que me desafiam, cujo estilo não tem nada a ver comigo.”

henrique sá pessoa, culinária, showcook, kiss the cook, lx factory,

Henrique Sá Pessoa é o chef anfitrião do jantar. Foi ele que criou o conceito Gravidade Zero. A Amouse Bouche deu-lhe o nome. (foto: © Sebastião Almeida / Observador)

Como é que pretendem fazer isso?

Os três chefs, o anfitrião Henrique Sá Pessoa e os convidados Leandro Carreira (que foi head chef de Nuno Mendes no Viajante, em Londres, e está atualmente no Climpson’s Arch) e Leonardo Pereira (ex-Noma e Areias do Seixo), vão criar um menu onde interpretam as suas referências da gastronomia nacional de acordo com a linguagem de cada um, mas fora daquilo que são as suas zonas de conforto. Trocando por miúdos: vão arriscar, dar largas à imaginação e apresentar criações que se prevê serem fora da caixa. Ou do prato.

Como é que surgiu esta ideia?

Henrique Sá Pessoa explica: “Quando abrimos o Alma disse à Ana [Músico, da Amouse Bouche, que faz a comunicação do restaurante) e com o Rui [Sanches], o meu sócio, que queria ter uma agenda com chefs convidados, mas sem exagero, sem ser uma coisa demasiado planeada e tentando fugir ao formato habitual.” Este Gravidade Zero é o primeiro fruto dessa intenção.

_MG_7906

Leandro Carreira é um dos chefs portugueses com carreira internacional mais interessante: esteve no Mugaritz, no Viajante, como braço direito de Nuno Mendes, e agora está no também londrino Climpson’s Arch. (foto: Divulgação)

O que é que se vai comer? E beber?

O menu completo ainda não foi divulgado mas Henrique Sá Pessoa explica que “cada chef vai fazer três pratos, sendo que um deles é um snack.” Ou seja, e como diz o outro, basta fazer as contas. Os nomes já divulgados deixam adivinhar um potencial forrobodó gastronómico: sangue frito, amêijoas com mel e limão ou arroz, violetas e clementinas. Os vinhos que acompanharão a refeição, serão, segundo os organizadores, “cinco, no máximo”. A seleção será feita pelo escanção do Alma.

É um one night stand, ou será para repetir?

É para repetir, sim, com o mesmo conceito mas outros convidados. A ideia é tornar estes jantares recorrentes, parte da programação, chamemos-lhe assim, do Alma. Segundo os organizadores, o próximo jantar do género deverá acontecer algures em junho/julho. “Queremos fazer três, quatro, no máximo, por ano”, explica Sá Pessoa. E se o normal, em eventos do género, é o chefs convidarem colegas cujo estilo é semelhante ao seu, aqui o objetivo é precisamente o contrário. “Quero trazer gente de fora do circuito, pessoas com quem trabalhei em Londres e Singapura”, revela. ” A intenção não é só espicaçar a criatividade do chef, mas também, nas palavras deste “poder proporcionar aos clientes do Alma uma experiência completamente nova.”

_MG_022 copy

Enquanto não abre um projeto em nome próprio (e não falta quem queira que isso aconteça), Leonardo Pereira vai dando a conhecer a sua cozinha, influenciada por quase cinco anos de Noma, em eventos como este. (foto: © Divulgação)

A que horas começa?

Começa às 19h30, mas não será um daqueles eventos em que se servem todos os comensais — há espaço para 45 — ao mesmo tempo. As pessoas vão sendo servidas à medida que forem chegando — podem marcar para as 19h30, mas também para as 20h ou para as 20h30 — num ambiente informal, como se de uma noite normal do restaurante se tratasse. E porquê? Palavra a Henrique Sá Pessoa: “Quando estás a servir um banquete perde-se o lado pessoal da cozinha, há barulho, há distrações, etc. Quando vou experimentar a cozinha de um chef, apetece-me estar a desfrutar esse momento com as pessoas com quem estou e não com 30 ou 40 pessoas de uma vez.” Não está previsto os chefs irem à mesa mas a cozinha do Alma, aberta para a sala, convida à interação.

O quê? Jantar Gravidade Zero
Quando? 8 de março, a partir das 19h30
Onde? Restaurante Alma, na Rua Anchieta, nº15 (Chiado), Lisboa
Quanto? 120€ por pessoa, com bebidas incluídas
Reservas? É obrigatório reservar, pelo 21 347 0650