A Polícia Judiciária acredita que o rapaz encontrado morto esta quarta-feira tenha sido estrangulado. O jovem de 15 anos tinha cabos elétricos à volta do pescoço, apurou a investigação. Segundo o DN, a mãe terá dito à PJ que o padrasto discutiu com Rodrigo na manhã de segunda-feira em que o jovem desapareceu e que este terá seguido o rapaz, que se dirigia para a escola. O Correio da Manhã, na edição desta quinta-feira, informa que uma discussão sobre dinheiro terá estado na origem do conflito.

O corpo do rapaz foi encontrado por volta das nove horas perto da casa onde vivia com a mãe, em Portimão. Ao que a Polícia Judiciária apurou, o caso trata-se de morte criminosa. O principal suspeito é o padrasto de Rodrigo, de origem brasileira que, no dia do desaparecimento, foi para o Brasil onde permanece até à data. 

“As circunstâncias em que o cadáver apareceu e a forma como o jovem desapareceu indiciam que foi vítima de homicídio”, referiu a Polícia Judiciária ao DN. “O corpo apresentava sinais de manipulação, de ter sido transportado para o local onde veio a ser encontrado”, acrescentou a PJ. O padrasto já falou com as autoridades e diz-se disposto a colaborar com o caso. Acontece que o homem só virá a Portugal se quiser, pois não pode ser extraditado para Portugal em fase de inquérito de processo.

A mãe do menor encontrado morto no Algarve foi ouvida esta quarta-feira pela Polícia Judiciária de Portimão. Célia Barreto foi ouvida na qualidade de testemunha e não foi constituída arguida. A PJ esteve desde as 13 horas desta quarta-feira na residência do jovem desaparecido, onde montou um perímetro de segurança em redor para efetuar buscas. Segundo o JN, a polícia terá reticências quanto à versão da mãe e admite que a morte tenha ocorrido em casa.

Ao jornal Sul Informação, um amigo de infância do pai de Rodrigo comparou este a outro caso polémico. “Lembra-se do caso Joana? Isto é a mesma coisa, mas com menos teatro”, disse. E foi mais longe: [A mãe] sabe o que aconteceu ao filho.” Paulo José referiu também que havia um histórico de violência doméstica: “A mãe dava porrada no marido e no miúdo.”

O corpo de Rodrigo Lapa, de 15 anos, foi encontrado num terreno próximo de sua casa. Não se conhecia o rasto do jovem desde segunda-feira, altura em que a mãe alertou as autoridades.

Segundo o Correio da Manhã, o jovem abandonou a sua casa na segunda-feira, antes das 7 horas da manhã, para ir para a escola e não mais voltou. “Ele levou o telemóvel e um aparelho bluetooth para ouvir música. Mas esqueceu-se do carregador, que costumava levar todos os dias”, contou ao CM a mãe do rapaz, no dia do desaparecimento, informando ainda que o telefone já estava desligado. O rapaz frequentava um curso de Cozinha na cidade vizinha de Lagoa, tendo faltado às aulas três dias antes de o seu desaparecimento ter sido comunicado, no dia 22 de fevereiro, pela mãe, às autoridades, escreve a Lusa.

Notícia atualizada quinta-feira, às 9h17