O caso é raro em Portugal, mas também acontece. Uma investigadora portuguesa viu um artigo publicado numa revista científica ser retirado por terem sido encontrados erros no mesmo, especificamente a duplicação de imagens com os resultados da investigação. Perante esta situação a Organização Europeia de Biologia Molecular (EMBO) decidiu retirar a bolsa de 50 mil euros que tinha atribuído em dezembro Sónia Melo, atualmente investigadora no Instituto de Investigação e Inovação da Universidade do Porto.

“O comité [estabelecido pela EMBO] decidiu que Sónia Melo não deve ser incorporada como membro da rede de Young Investigators e Installation Grantees da EMBO e que a bolsa de instalação deve ser retirada”, escreve a EMBO, citada pelo Retraction Watch. “Isto foi comunicado a Sónia Melo e à instituição onde trabalha a 29 de fevereiro”, confirmou a organização ao Observador.

“O comité verificou todos os artigos que Sónia Melo submeteu quando concorreu à bolsa e encontrou negligência em mais artigos do que aquele que foi retirado [pela Nature Genetics]”, esclarece a EMBO ao Observador. “A possibilidade de manipulação deliberada dos dados não foi aprofundada pelo comité por entender que não estava mandatado para isso.”

Em agosto de 2015, começaram a surgir algumas questões sobre as imagens do artigo “A TARBP2 mutation in human cancer impairs microRNA processing and DICER1 function”, publicado em 2009 pela Nature Genetics. As dúvidas foram apresentadas publicamente no site PubPeer – um blogue onde os cientistas podem comentar artigos já publicados -, com a demonstração de algumas imagens duplicadas.

3 fotos

Este artigo foi um dos argumentos apresentados pela investigadora para concorrer à bolsa da EMBO que lhe permitiria estabelecer um grupo de investigação próprio – EMBO Installation Grants. A bolsa, atribuída no dia 8 de dezembro de 2015, tinha o valor de 50 mil euros e poderia ser usada ao longo de três a cinco anos. Mas assim que a organização percebeu que poderia haver um problema, começou a investigar a situação.

“Confirmamos que pouco depois de a EMBO ter atribuído a bolsa a Sónia Melo, ficámos a saber das alegações de que o artigo científico de que era autora continha irregularidades. Como consequência, a EMBO estabeleceu um comité para investigar estas alegações”, comunicou a Organização Europeia de Biologia Molecular, citada pelo site Retraction Watch, que denuncia situações deste tipo.

A 27 de janeiro de 2016, a própria revista científica onde tinha sido publicado o artigo, a Nature Genetics, decidiu retirar o artigo, afirmando que todos os autores do artigo concordaram com essa situação. “Soubemos recentemente que existiam imagens duplicadas nas Figuras 3 e 4 e nas Figuras 5 e 6 na Informação Suplementar na nossa publicação – Nature Genetics 41, páginas 365-370, de 2009 – que foram preparadas [para o artigo] seguindo as orientações dos autores do artigo”, escreve a Nature Genetics.

“Desta forma retiramos a publicação em nome dos altos padrões que esperamos da investigação e dos artigos científicos”, decidiu a Nature Genetics.

Perante as questões do Observador, um porta-voz da revista científica responde que é política do grupo editorial não fazer comentários sobre os artigos retirados e que, portanto, não pode avançar pormenores sobre o processo. Assim, como também não se pronuncia sobre outros artigos que possam ou não estar sob avaliação.

Até ao momento, o Observador não conseguiu falar com Sónia Melo, mas a investigadora terá contactado diretamente o Retraction Watch para prestar algumas declarações sobre este “erro embaraçoso”. “Infelizmente o artigo da Nature Genetics foi retirado porque foram identificadas imagens duplicadas, algumas nas mesmas figuras. Este erro embaraçoso não foi identificado por nenhuma das pessoas que analisou o manuscrito antes da publicação, especialmente por mim, como primeira autora, que tinha a responsabilidade de olhar com cuidado para a versão final.”

A investigadora afirma que na primeira versão do artigo que submeteu à revista não havia esta duplicação de imagens e que revendo as notas de laboratório e os dados, confirma que estes se encontram corretos. Segura dos dados que tem em sua posse, a investigadora disse ao Retraction Watch que tem como objetivo corrigir os erros encontrados e voltar a submeter o artigo para publicação num futuro próximo. A Nature confirma ao Observador que as submissões são avaliadas caso a caso e que se houver uma nova submissão pela autora será avaliado como um novo artigo.

“Como disse anteriormente, confirmo cada parte dos dados publicados no artigo do qual sou coautora. Não houve intenção de cometer fraude. Lamento a falta de zelo que demonstrei com o manuscrito da Nature Genetics, o meu primeiro artigo como aluna de doutoramento e a confusão que causou aos meus leitores e colegas”, disse Sónia Melo ao Retraction Watch.

As declarações aconteceram ainda antes de Sónia Melo conhecer a decisão da EMBO. “Depois de uma análise aprofundada de todos os artigos que serviram de base ao concurso à bolsa [de Sónia Melo], o comité concluiu que o corpo de trabalho em que se baseou a seleção para a bolsa de instalação continha indícios de um nível de negligência no tratamento e na apresentação dos dados suficientes para impedir a recomendação a um prémio”, disse a organização citada pelo Retraction Watch.

Ao Observador, a EMBO explica que tiveram de averiguar se as alegações tinham fundamento ou não e, caso tivessem sabido disso enquanto estavam a analisar a candidatura de Sónia Melo, se teriam atribuído a bolsa ou não. O comité constituído por avaliar esta situação acabou por concluir que a negligência encontrada nos artigos científicos, além do que foi retirado pela Nature Genetics, era suficiente para comprometer a atribuição da bolsa à investigadora.

“Cancer Exosomes Perform Cell-Independent MicroRNA Biogenesis and Promote Tumorigenesis”, publicado pela Cancer Cell, em 2014, é outro dos artigos que também tem levantado questões junto da comunidade científica que usa o PubPeer. A revista científica confirmou ao Observador que estão a investigar estas alegações. A revista acrescentou ainda que as “investigações são feitas caso a caso tendo em conta as preocupações levantadas” e que, neste momento, não têm outros artigos de Sónia Melo ou dos restantes autores do artigo sob investigação.

A investigação que serviu de base ao artigo científico que continha as imagens manipuladas foi desenvolvida no Instituto de Investigação Biomédica de Bellvitge, em Barcelona, onde Sónia Melo se encontrava a fazer doutoramento, refere o Público. Atualmente, a investigadora faz parte da equipa do recém-criado Instituto de Investigação e Inovação (i3S) da Universidade do Porto. A instituição declara que está atenta à discussão sobre a integridade científica da investigadora, mas recorda que isso antecede a incorporação nesta unidade de investigação.

“O i3S iniciou um processo de análise do caso, recorrendo a uma Comissão Externa para o efeito. Sónia Melo decidiu, com o acordo da Direção e do coordenador do grupo onde está integrada, suspender as suas funções de investigadora principal no i3S até conclusão desse inquérito”, informa a instituição em comunicado. Neste momento, Sónia Melo, embora deixando de ser investigadora principal, mantém o trabalho de investigação em curso.

“A Comissão Externa, constituída por elementos externos e independentes, emitirá um parecer com base no qual será tomada uma decisão da Direção do i3S no que respeita ao vínculo que a investigadora terá com esta unidade de investigação afeta à FCT e à Universidade do Porto”, refere o comunicado da instituição.

“O i3S, enquanto entidade de acolhimento de uma investigadora, não tem legitimidade formal para lançar auditoria sobre trabalhos realizados e afiliados a outras instituições. Não obstante, sendo a Sónia Melo investigadora na nossa Unidade, desencadeamos de imediato um processo de acompanhamento da situação, requerendo à investigadora a produção regular de memorandos nos quais desse conta de eventuais processos desencadeados e/ou desenvolvimentos outros”, completa o instituto numa resposta ao Observador.

Atualizado às 18h45