A Procuradoria-Geral da República (PGR) enviou às autoridades angolanas uma carta rogatória para constituir arguido o empresário luso-angolano Helder Bataglia no processo Operação Marquês, disse esta quinta-feira à agência Lusa a PGR.

“Confirma-se que foi enviada às autoridades angolanas uma carta rogatória com vista à constituição de arguido [Helder Bataglia]”, disse a PGR, em resposta à Lusa.

Com o cumprimento da carta rogatória, o empresário torna-se no décimo terceiro arguido do processo Operação Marquês, caso que envolve o ex-primeiro-ministro José Sócrates, o empresário Carlos Santos Silva e o antigo ministro Armando Vara, entre outros.

A constituição de Helder Bataglia como arguido está relacionada com as suspeitas dos investigadores relativamente ao empreendimento Vale do Lobo, Algarve, e à sua aprovação numa altura em que José Sócrates era chefe do Governo.

José Sócrates, que se tornou no único chefe de governo português a ser detido e preso preventivamente, está indiciado por corrupção, fraude fiscal e branqueamento de capitais