Star Wars

Morreu Tony Dyson, inventor do robô R2-D2

O professor britânico responsável pela construção dos modelos originais do famoso robô da "Guerra das Estrelas" foi encontrado morto na sua casa em Malta. Tinha 68 anos.

Tony Dyson criou também o controlo remoto que permitia o robô mexer-se

Tony Dyson, o inventor britânico que criou o famoso robô R2-D2, da Guerra das Estrelas, morreu esta semana na sua casa em Gozo, em Malta. O corpo de Dyson foi descoberto pela polícia na quinta-feira, depois de um vizinho ter notado que a porta do seu apartamento estava aberta, refere o Guardian. A possibilidade de ter sido assassinado já foi excluída pelas autoridades. Uma autópsia será ainda realizada para determinar a causa exata da morte. Dyson tinha 68 anos.

Tony Dyson foi responsável pela criação do modelo original do robô R2-D2 para a saga original da Guerra das Estrelas, de George Lucas. Apesar de o dróide ter sido concebido pelo designer Ralph McQuarrie em paralelo com o responsável pelos efeitos mecânicos, John Stears, foi Dyson que construiu o controlo remoto que permitia ao robô mexer-se.

O inventor, que na altura era dono da empresa The White Horse Toy Company, criou quatro unidades de controlo remoto para Lucas — duas com um cadeira no interior, onde o ator Kenny Baker se podia sentar, e duas para serem (literalmente) atiradas ao ar durante as filmagens de O Império Contra-Ataca, onde o pequeno e irrequieto dróide é cuspido por um monstro para terra firme, durante a visita de Luke Skywalker a Dagobah.

Para além da Guerra das Estrelas, Dyson trabalhou em filmes como 007 — Aventura no Espaço (1979), para o qual criou um fato de astronauta completo e Super-Homem II (1980). Fora do grande ecrã, desenhou e construiu robôs para algumas das maiores empresas de tecnologia do mundo, como a Sony, a Philips e a Toshiba. Trabalhou também no ramo da publicidade e para vários parques temáticos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
Global Shapers

Quando chegará o último Aquarius?

Hugo Menino Aguiar

É preciso conciliar a liberdade de movimento enquanto direito humano fundamental e a gestão económica, cultural e social das migrações - e permitir que esta segunda vertente seja sobrevalorizada.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)