Política

Margarida Marques: “Na Alemanha dizem que estamos a sair dos carris”

108

A secretária de Estado dos Assuntos Europeus confrontou o seu homólogo alemão com os temas que unem e dividem os dois países, garantindo que Portugal está comprometido com as metas europeias.

AFP/Getty Images

Autor
  • Catarina Falcão

Margarida Marques, secretária de Estado dos Assuntos Europeus, disse esta tarde que Portugal e a Alemanha não estão de acordo em tudo, mas que os dois países já conseguiram tanto em conjunto que seria um desperdício deitar fora uma relação bilateral privilegiada. “Os nossos objetivos são a nível europeu mas devem seguir a nossa Constituição”, afirmou a secretária de Estado, afastando o país da imagem de ator passivo a nível europeu.

Perante Michael Roth, ministro Adjunto alemão para Europa, que esteve em Lisboa para encontros bilaterais e uma iniciativa do projeto “Dialogue on Europe“, a secretária de Estado e antiga chefe da representação da Comissão Europeia em Portugal, afirmou que sabia que na Alemanha, Portugal estava a ser retratado como “um país que está a sair dos carris” – “Não é essa a minha opinião”, interveio brevemente Roth, que é membro do SPD, equivalente ao PS, e integra o Governo através da coligação com a CDU de Merkel. Margarida Marques disse que conhecia a posição do seu homólogo e que também o Governo português sabe exatamente o que está a fazer.

“Vamos respeitar todos os nossos objetivos e todas as metas […] Só precisamos de tempo e flexibilidade, os resultados estão garantidos”, assegurou a secretária de Estado relembrando que a Alemanha insiste num grau “maior coordenação da política macroeconómica” no Semestre Europeu, um ponto que acaba por limitar a margem de manobra dos governos nacionais quando desenham os seus orçamentos. No entanto, Margarida Marques fez questão de acentuar que apesar de discordarem em alguns pontos, estas divisões são sobretudo sobre o tempo de implementação das medidas e não sobre temas verdadeiramente estruturais.

Por seu lado, Michael Roth revelou à plateia portuguesa que está “farto” dos desenvolvimentos na Europa e que, por ter crescido junto ao muro que dividia as duas Alemanhas, prometeu a si próprio que não aceitaria novos muros na Europa, referindo-se à atual crise dos refugiados. O ministro-adjunto alemão criticou ainda Vladimir Putin, afirmando que “a Rússia quer dividir a União Europeia”. “O primeiro-ministro húngaro é um dos maiores críticos da política da Alemanha e ele faz parte do PPE [Partido Popular Europeu e família política de Merkel”, disse o ministro adjunto.

Ainda sobre o populismo que assombra a Europa, o alemão afirmou que sempre que se diz que os temas em discussão, como a crise dos refugiados, são complexas “é uma oportunidade para os populistas porque eles dão respostas simples a problemas complexos”. “As pessoas gostam de respostas fáceis e é por isso que os movimentos populistas e xenófobos estão a ter sucesso. Os partidos democráticos nunca devem copiar esse tipo de argumentação”, defendeu o ministro.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Governo

Portugal atrasado, Portugal adiado

Tiago Sousa Dias
100

O que sabemos é que há polícias a dormir em carros porque não têm dinheiro para pagar a renda de casa nos nossas cidades. O que sabemos é que há enfermeiros com as vidas congeladas e salários indignos

PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)